O ano mal começou e a projeção dos principais indicadores econômicos foi revista para baixo. Segundo o boletim Focus (um conjunto de instituições financeiras consultadas pelo Banco Central), o PIB deve encolher 2,95% em 2016. Já é o 13º ajuste consecutivo nas previsões, a última delas antevia um recuo de 2,81%. Para a indústria espera-se uma queda de 3,5% este ano.

Além da retração econômica, também se espera uma inflação pior, em 6,87%.

O Governo trabalha com um sistema de metas, cuja base é de 2,5% e o teto de 6,5%, portanto a previsão do boletim ultrapassa o limite oficial. O Banco Central mantém que a equipe econômica trabalha para fechar o ano com um índice de preços dentro do centro da meta, em 4,5%. A previsão anterior era de 6,86%.

A taxa básica de juros (Selic) no final de 2016 deve ficar em 15,25%, ante os 14,25% atuais.

As transações correntes, ou seja, a diferença entre as compras e vendas de mercadorias e serviços, e as transferências de renda do país com o mundo, tinha o deficit estimado em US$ 38,6 bilhões, número que subiu para US$ 38,5 bilhões este ano.

A dívida líquida do setor público deve chegar a 40% do PIB, de acordo com a estimativa das instituições financeiras. O endividamento estatal vem aumentando de maneira dramática devido à Política econômica dos últimos anos marcada pelo aumento desenfreado dos gastos e subsídios, e também às pedaladas fiscais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Uma boa notícia

Diferente das outras projeções, o saldo comercial (diferença entre exportações e importações) deve ser mais favorável que na previsão anterior. O superavit em 2016 deve ser de US$ 35 bilhões, em vez dos US$ 33 bilhões divulgados na última estimativa. A alta no valor das exportações se deve à valorização do dólar, cuja cotação deve fechar 2016 em R$ 4,21.

O dólar alto torna os produtos brasileiros mais baratos no exterior, e portanto aumenta a competitividade brasileira no comércio internacional. O investimento direto no país (investimento estrangeiro no setor produtivo nacional) deve chegar a US$ 55 bilhões.

2017

O boletim Focus fez também previsões para 2017. Daqui a dois anos, espera-se uma leve recuperação econômica, com um crescimento do PIB de 1%, inflação em 5,2%, juros básicos em 12,5% e câmbio no mesmo patamar, com o dólar valendo R$ 4,20.

As previsões devem ser recebidas com cautela, tradicionalmente a realidade costuma se revelar pior que as estimativas oficiais, as quais não são animadoras já neste início de ano.

Vale lembrar que o Banco central previa no início de 2015 um crescimento tímido do PIB de 0,5%, ao final do ano, o que verificou-se foi um verdadeiro naufrágio, com uma contração de 3,61%.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo