Um terço das empresas de e-commerce no Brasil suspenderam as vendas depois do início das novas regras na cobrança do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), mostra sondagem divulgada nesta terça-feira (16) pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

Segundo o estudo, feito em parceria com a E-commerce Brasil, Camara-e.net e Abcomm, 25% das empresas pararam de vender para outros Estados e quase 9% dos negócios interromperam todas as vendas.

Conforme os entrevistados, os encargos tributários aumentaram e, consequentemente, o custo financeiro também.

Desde 1º de janeiro de 2016, é obrigatório o pagamento do tributo nos Estados de origem e destino da mercadoria, o que afeta, principalmente, as empresas que trabalham come-commerce– 75% delas são micro e pequenas. A enquete do Sebrae foi respondida por 535 donos de pequenos negócios.

Para o presidente doSebrae, Guilherme Afif Domingos, a pesquisa mostra como a medida tem impacto negativo nos pequenos negócios.

“Estão prejudicando as micro e pequenas empresas e o comércio eletrônico de todo o País. Não param de chegar relatos de empresas fechando, suspendendo as vendason-line. Os fiscos estaduais e o Confaz estão agindo como os Exterminadores do Futuro das micro e pequenas empresas”, declarou.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) entrou no STF (Supremo Tribunal Federal) com uma ação direta de inconstitucionalidade pedindo uma liminar suspensiva do artigo 9º, que atingiu as micro e pequenas empresas. O argumento é que as novas regras violam a Constituição ao criar alíquotas diferentes para micro e pequenas empresas inclusas no Simples Nacional.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

PARA ENTENDER A MUDANÇA

As novas modalidades de tributação são resultado daEmenda Constitucional nº 87/2015, segundo a qual o imposto deve ser partilhado entre o Estado de que a mercadoria foi enviada e a unidade da federação onde ela foi entregue.

A medida, no entanto, não significa uma duplicação do tributo para empresas não optantes do Simples Nacional. Para os optantes do Simples, por sua vez, haverá aumento na carga tributária.

A mudança se refere às parcelas pagas a cada Estado, o que já acontece nas compras do comércio físico.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo