O dia para o brasileiro começa com reajustes em setor importante da economia: o de transportes.

A partir desta sexta-feira (1º), as tarifas de pedágio das rodovias estaduais paulistas estão 9,32% mais caras. O aumento dos pedágios também puxa outros preços de carona, como o frete, por exemplo.

As empresas de transporte têm que repassar o custo de alguma forma e o consumidor é sempre quem paga a conta. Mas a manhã dos aumentos não acaba por aí.

Os preços dos ônibus intermunicipais também sofreram reajuste.

A tarifa média de uma passagem da região central do Estado para a Capital, por exemplo, que até quinta-feira (30) oscilava em média em R$ 67, hoje deve saltar para R$ 73. O percentual de reajuste é de 9,56%. Esse índice representa a recomposição dos custos operacionais das empresas, que considera variações de diversos itens como o diesel, que teve aumento de 10,28%, além do reajuste de 9,33% dos salários da categoria.

Este é um duro golpe nas pessoas que moram em cidades menores e precisam trabalhar em grandes centros.

O já apertado e minguado orçamento terá que ficar mais enxuto ainda para absorver tal impacto nas finanças domésticas. Não é de hoje que o brasileiro faz malabarismo para tentar sobreviver com seu salário até o final do mês. Já não bastasse o desemprego e a inflação batendo à porta, agora terá mais um 'abacaxi para descascar'.

Nem o tradicional feijão conseguiu escapar da 'espada justiceira' dos preços galopantes. A cena tradicional do trabalhador levando sua 'quentinha' no transporte coletivo já não é mais tão comum assim.De alento, somente a conta da energia, que não deve subir agora em julho.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Política

Caso o leitor também queira saber como economizar, vai uma dica neste link: alívio para as finanças.

É preciso uma solução rápida no campo político brasileiro. O estado de letargia pela qual a economia está passando devido a um processo de impeachment presidencial, acaba por prejudicar ainda mais a já não tão sólida economia brasileira.

Como dissemos no início deste artigo, no final das contas, quem sempre paga a fatura é o consumidor. Eeste consumidor jáestá cansado e 'surrado', semperspectiva de encontrar uma luz neste extenso túnel da crise.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo