Os olhos estão nas Olimpíadas, mas a realidade do país não merece medalha de ouro. Nesta sexta-feira, 29, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atualizou os seus dados sobre Desemprego no país e os novos números não são bons. A taxa subiu para 11,3% no trimestre finalizado em junho e é a maior já feita pela Pnad Contínua, que existe desde janeiro de 2012.

Em março, o índice era de 10,9%.

De abril a junho de 2015, a taxa era 8,3%. De março a maio desse ano, no entanto, o número voltou a crescer e finalizou em 11,2% de desempregados.

No momento, os desocupados cresceram 4,5% se comparado ao primeiro semestre e abrangem 11,6 milhões de brasileiros, que acompanharão as Olimpíadas sem muitas perspectivas para um futuro próximo. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, 2016 apresentou um crescimento substancial de 38,7% de desempregados.

Do outro lado, a população ocupada, isto é, que está em atividade independente da área, mostrou certa estabilidade. São 90,8 milhões de pessoas e uma queda de apenas 1,5% na comparação com o período somado de abril a junho do ano passado.

Temer disse que focaria o emprego

Assim que assumiu a presidência da República em decorrência do afastamento de Dilma, Michel Temer garantiu que focaria na criação de emprego aos brasileiros.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Vagas Michel Temer

Logo em um dos seus primeiros discursos, o peemedebista disse que essa seria uma das suas metas no seu governo interino.

“O crescimento do país necessariamente gera o direito ao emprego. E a primeira medida social é uma integração de dois setores produtivos: os empregadores de um lado e os trabalhadores de outro. Então, o primeiro direto social é o emprego. E ele só virá se houver a atuação da iniciativa privada”, disse Temer.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo