A Petrobras, com toda a certeza, quer esquecer esse triste episódio em 2017, principalmente depois que o foco de todo esquema de corrupção desencadeada pela Lava Jato estava sobre ela, levando-a a quase falência da estatal. Imagine uma empresa que valia impressionantes quinhentos e dez bilhões e trezentos milhões (dados de 2008) e agora só vale 15% desse valor. Como consequência, ela acabou repassando o valor do prejuízo para o consumidor pagar, isso de modo literal. Segundo a ANP, o preço médio da gasolina é de R$ 4,16, que é um preço muito elevado em comparação a outros períodos de consumo no Brasil. Como a Política nacional estava fazendo a Petrobras sofrer juntamente com os valores do barril de petróleo internacional caindo, nesse finalzinho de ano, a trama dessa novela começa a se desenrolar a favor da BR.

Com as ações da Petrobras valendo hoje por volta de R$ 18,00, ela conseguiu quatro vezes mais o valor da acumulação do ano. Depois que a Moody's elevou a nota de crédito da estatal de "negativa" para "estável", finalmente o estímulo da confiança que os investidores estavam esperando chegou, anunciando a retomada implacável em 2017. Pedro Medeiros, analista de Energia do Citi para América Latina, diz que isso é uma retomada definitiva e em ascensão, como base em uma gama de acontecimentos. Ele ressalta que um dos grandes fatores para isso, foi o dólar, que saiu da base 4 reais depois que o câmbio do mercado mundial foi alterado, isso foi bom, porque a BR tinha muitas dívidas na moeda americana. O que ajudou muito nessa classificação também foi o plano de desinvestimentos feroz que ela teve que tomar, isso a deixou com mais foco na extratividade e produção. 

Política de administração renovada

Com a entrada de Pedro Parente, assumindo a presidência da Petrobras,  fez com que, no entendimento do mercado dos combustíveis fósseis, não haveria mais intervenção da administração federal do país na políticas da empresa.

Os melhores vídeos do dia

Couto diz que a estatal vinha sendo usada para politicagem da Economia, principalmente na questão de controle inflacionário. A meta dessa nova administração é um sistema claro de gerenciamento de preços dos combustíveis, que incluiu de meios formais a francesa Total no seu plano estratégico, 4 ações que ela respondia nos Estados Unidos foram extintas e ela não detém mais o monopólio de exploração do Pré-sal brasileiro. De acordo com os agentes econômicos, o Brasil vai ganhar mais dinâmica, os ativos irão se valorizar e os preços do barris vão se valorizar ainda mais.