A taxa de Desemprego no Brasil saltou de 11,5%, no último trimestre de 2015, para 12%, no mesmo período de 2016, segundo dados apresentados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Esse percentual corresponde a cerca de 12 milhões e 300 mil brasileiros que estão à procura de emprego em todo o país.

O aumento na taxa de desocupação é uma consequência da recessão econômica que atinge o Brasil nos últimos anos.

Isso se reflete também, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), no rendimento das pessoas empregadas, que teve uma queda de 2,3%.

Reação do mercado para o final de 2017

Os economistas esperam por uma reação do mercado apenas para o segundo semestre de 2017 e, com isso, o aumento nas Vagas de emprego por todo o país. Mas, enquanto isso não acontece, o número de empregos formais cai em quase todas as regiões do Brasil.

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os estados que possuem os maiores índices de Empregos formais foram os que mais demitiram em 2016, como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Diminuem os empregos formais no Brasil

Alguns setores da Economia acumulam grande parte das demissões. É o caso da construção civil e do comércio que, juntos, acumularam até outubro do ano passado mais de 470 mil postos de trabalhos fechados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Vagas

Com isso, o Brasil acumulou cerca de 1,4 milhões de demissões em 2016 no setor privado, segundo dados do IBGE. Houve queda de empregos também em setores públicos como a administração, saúde, defesa, serviços sociais, entre outros.

Este é o pior cenário vivido pelo trabalhador brasileiro nos últimos 10 anos. A fila dos que procuram emprego está cada vez maior e muitos estão buscando outras formas de renda, como o trabalho informal e a prestação de serviços, o que aumenta significativamente as taxas de desalento, que representa os desempregados os quais não estão à procura de emprego.

Especialistas dizem que a taxa real seria muito superior se considerássemos as pessoas que desistiram de procurar trabalho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo