O Governo Federal vai liberar, a partir de fevereiro, o saque das contas inativas do FGTS. Contas inativas estas que correspondem a valores depositados por empresas em que o trabalhador foi demitido por justa causa ou pediu demissão, não tendo direito, portanto, a saque na época da rescisão. Esses valores estavam retidos no fundo do #FGTS e por lá ficariam até que o trabalhador passasse pelo menos três anos sem carteira assinada - Após esse período os recursos estariam disponíveis para saque.

Entretanto, com a medida tomada pelo governo, todo trabalhador que possua valores inativos na conta de FGTS até 31/12/2015 terá direito a saque.

Inicialmente, o valor seria limitado, porém, a equipe econômica voltou atrás e decidiu liberar o valor integral retido nas contas.

Estima-se, segundo a Caixa, que existam hoje em torno de 18,6 milhões de contas inativas no FGTS com valor total de R$ 41 bilhões. São esperados algo próximo a 10 milhões de beneficiados (já que alguns têm mais de uma conta inativa). Já a previsão de valores em #Saques gira em torno dos 30 bilhões, já que algumas contas possuem saldos insignificantes e certamente não serão procurados pelos titulares. Têm direito ao saque todos os trabalhadores demitidos por justa causa ou que tenham pedido demissão até o dia 31/12/2015.

A medida, porém, não contempla trabalhadores que permaneceram no mesmo emprego em empresa que mudou de CNPJ. Ainda segundo a Caixa, os pagamentos estão previstos para iniciar já no mês de fevereiro e o cronograma possivelmente será organizado de acordo com a data de aniversário do trabalhador, como já ocorre com os pagamentos do PIS.

Os melhores vídeos do dia

Os saques serão realizados através do cartão cidadão, das agencias Caixa, casas lotéricas e correspondentes bancários.

Há também a possibilidade, ainda em discussão, de se creditar automaticamente os valores diretamente em conta corrente para os clientes CEF.

Esta medida faz parte da tentativa do governo de reaquecer a economia e incentivar o consumo e o fluxo de recursos, principalmente no setor de comércio, que deve experimentar aumento de vendas durante o ano com a liberação progressiva destes valores. Importante frisar também que o corte de 0,75% na taxa básica de juros SELIC, é outro fator de incentivo ao consumo; principalmente de bens duráveis, dadas as melhores condições para o crédito, por exemplo.

Outro setor que deve ter aumento é o de investimentos, pois, se, por um lado, espera-se que as famílias utilizem o #Dinheiro do FGTS principalmente para consumir, estima-se que, na outra ponta, haverá pessoas que irão aproveitar a entrada inesperada destes recursos para investir e poupar para o futuro. Assim sendo, podemos esperar também aumento no número de aplicações, principalmente em renda fixa, como os CDBs, LTN e até a velha caderneta de poupança.