Desde que o #Governo anunciou que a população poderá realizar saques do FGTS de contas inativas, muitas pessoas têm ficado na expectativa de receber o #Dinheiro o quanto antes. Todos os que têm saldo a receber estão acompanhando as noticias a cada dia para saber quando poderão realizar o saque.

A ordem de recebimento estabelecida pela Caixa Econômica Federal, junto com o governo federal, foi baseada nas datas de nascimentos, em meio a isso, golpes surgiram com calendários de saques falsos divulgados por sites mal-intencionados. Mas o presidente Michel Temer anunciou oficialmente as datas para os saques. Os montantes sacados serão injetados na economia, o que contribuirá, e muito, na movimentação do ambiente econômico.

Porém, um problema surgiu logo no início dos saques.

Muitas pessoas já estão conseguindo sacar o dinheiro desde então e aproximadamente 10 milhões de trabalhadores têm direito a receber o beneficio, mas segundo a informação divulgada pelo site Msn, cerca de 7 milhões de pessoas não tiveram o FGTS depositado de forma correta, ou seja 70% dos beneficiários em todo o #Brasil.

As empresas devedoras de FGTS totalizam 198.790 somando contas ativas e inativas, as dívidas acumuladas pelas empresas é superior a 8 bilhões de reais. O estado com maior dívida é São Paulo, seguido de Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Cada organização já está sendo cobrada pelo PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional). Entre o ano de 2013 e 2016, a procuradoria conseguiu recuperar mais de R$ 466 milhões da dívida.

Os melhores vídeos do dia

Enquanto muitas pessoas estavam insatisfeitas por ter recebido um valor menor do que deveria ser depositado, outro problema surgiu, os trabalhadores não estão conseguindo consultar o saldo de contas inativas pelo site da Caixa, somente pelo aplicativo do FGTS. A Caixa Econômica Federal ainda não divulgou a explicação para isso, mas se você é uma das pessoas que está passando por esse transtorno, conseguirá regularizar sua situação em uma agencia bancária da Caixa levando o comprovante da rescisão de contrato entre a empresa e o trabalhador ou a baixa na carteira de trabalho.