O governo apresentou o projeto de reforma da Previdência, onde a proposta é que a aposentadoria ocorra na idade mínima de 65 anos, com pelo menos 25 anos de contribuição. Contudo, para receber 100% do valor da aposentadoria é necessário que o trabalhador contribua por 49 anos, mesmo que ele já tenha completado 65 anos.

Caso a nova regra entre em vigor em 2017, a idade de aposentadoria de homens e mulheres será a mesma e valerá para trabalhadores de empresas privadas e públicas, além de políticos. Os militares não estão incluídos nessa proposta e continuarão tendo suas próprias regras para aposentadoria.

Como funciona o cálculo da aposentadoria

Atualmente, o valor depende se a aposentadoria é por tempo de contribuição ou por idade e também do tempo que o contribuinte trabalhou.

Para conseguir o valor integral, é necessário que os homens tenham contribuído por 35 anos e as mulheres por 30 anos.

A nova regra propõe que mesmo que o indivíduo atinja 65 anos de idade e tenha 25 anos de contribuição, ele não receberá 100% do salário, mas somente 76%. Se ele trabalhar por mais um ano, receberá mais um ponto percentual e assim a cada ano até que complete 100% do salário.

Por exemplo, se uma pessoa trabalhou por 40 anos (15 além dos 25 anos obrigatórios) receberá mais 15 pontos percentuais, completando 91% do salário (76% + 15). Isso significa que somente quem trabalhar durante 49 anos receberá 100% do salário.

Atualmente para os servidores públicos, os homens se aposentam aos 60 anos e 35 de contribuição e as mulheres aos 55 anos e 30 de contribuição. Com a nova proposta, seguirão as mesmas regras dos trabalhadores de empresas privadas explicadas acima.

Os melhores vídeos do dia

Os políticos hoje em dia podem se aposentar com 60 anos de idade e com 35 de contribuição, mas, com a nova proposta, passarão a seguir a mesma regra do restante da população, que é com 65 anos de idade e 25 de contribuição e tendo que contribuir por 49 anos para atingir os 100% do salário.

A proposta não mudará a medida de que nenhum aposentado poderá receber menos do que um salário mínimo vigente.