A conjuntura da política econômica no Brasil traz vários percalços que muitas vezes, parecem ser extremamente complexos e de difícil solução, ainda mais, em se tratando de um país imerso em uma das piores crises de toda a sua história contemporânea e que somente agora, começa a apresentar alguns sinais de que pode atravessar um dos períodos mais "conturbados" do cenário político nacional.

Uma das principais apostas do Governo do presidente da República Michel Temer, trata-se da aprovação do projeto que consiste em uma reforma previdenciária no Brasil.

Embora, considerado o projeto original, como algo substancialmente "polêmico", o Palácio do Planalto confia na aprovação, para que o país consiga "reorganizar" as contas e o déficit público vigente no país. Entretanto, a agência de risco S&P se manifestou,através de sua análise macroeconômica, que devido às perspectivas de que a reforma previdenciária possa avançar, de fato, no Congresso Nacional, não haveria, por ora, a possibilidade de que a nota soberana do país fosse rebaixada.

Força do governo Temer

De acordo com uma análise minuciosa da diretora-executiva de rating soberano da S&P Global Rating, Lisa Schineller, através de uma manifestação realizada por meio de videoconferência, o prognóstico é que a reforma previdenciária, cujo projeto foi desenhado pelo governo do presidente Michel Temer, possa caminhar para a aprovação no Parlamento brasileiro.

A diretora-executiva destacou, de modo contundente, que "os compromissos assinalados pelo governo Temer e pelo Congresso dão a indicação de que haverá avanço da reforma previdenciária, assim como se espera esse progresso".

A diretora-executiva da S&P Global Ratings, aponta ainda, como surpresa em sua análise, que um fator preponderante colabora para essa perspectiva da agência de risco; o país já estar atravessando uma espécie de estabilidade política, segundo a análise de Lisa Schineller.

A diretora-executiva foi ainda mais longe, ao denotar que a Reforma da Previdência Social é considerada muito "emblemática" para que o governo esteja apto a atacar e implementar a redução de pontos de rigidez das despesas públicas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Michel Temer

Porém, a economista ponderou que ainda existem riscos para a não aprovação das reformas. Um dos pontos destacados por Lisa, se refere a uma eventual leniência por parte do governo, em se tratando de levar adiante alterações estruturais do sistema de benefícios destinado aos aposentados, ou mesmo, se vier a ocorrer o fim do comprometimento por parte do Congresso em aprovar as reformas.

Segundo a diretora-executiva Lisa Schineller, "um grande desafio do Brasil, estaria relacionado à questão fiscal do governo do país para com os estados brasileiros, como por exemplo, a menção em referência à situação das contas públicas, já que seria tarefa para alguns governos, o que culminaria em vários anos, já que o superavit primário seria alcançado somente em 2020".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo