As expectativas de inflação para o ano de 2017 foram mais uma vez reajustadas para baixo, como mostra o relatório da pesquisa Focus divulgado nesta segunda-feira (28) pelo Banco Central. De acordo com a pesquisa, a mediana das expectativas de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para o fim de 2017 foi reajustada de 3,51% para 3,43% ao ano em relação ao pesquisa da semana passada.

Para os próximos 12 meses, o IPCA também segue a tendência de suavização: enquanto na semana passada os analistas esperavam uma taxa de 4,43% para o período, na pesquisa mais recente a previsão foi alterada para 4,30%.

Para o mês de agosto, a expectativa do índice também foi reajustada em 0,3 ponto percentual para baixo (de 0,47% para 0,44% em relação à pesquisa anterior), e para o próximo mês, o reajuste foi de 0,1 ponto percentual também para menos (de 0,32% para 0,31%).

Quanto aos juros, os mantiveram a expectativa de que a meta da taxa Selic será de 8,25% para setembro, mas enxergam outro possível corte até o fim de 2017 ao reajustar a meta de 7,50% até o fim do ano (na pesquisa anterior) para 7,25% ao final do período.

Já a expectativa de dólar não sofreu alterações para o ano de 2017, sendo mantida em R$ 3,23, mas foi revisada de R$ 3,39 para R$ 3,38 ao final de 2018.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

PIB maior e os anúncios do governo

O PIB também foi revisto para cima, segundo a pesquisa. Enquanto na semana passada os agentes do mercado esperavam um crescimento de 0,34%, na pesquisa de hoje já se espera um crescimento de 0,39%.

A revisão da expectativa vem junto com uma semana repleta de anúncios vistos como positivos pelo mercado, como a liberação do PIS/Pasep para um novo grupo abaixo de 70 anos, a venda de ativos da Petrobras, leilões de energia elétrica, a privatização de empresas do Governo - como a casa da Moeda, aeroportos -, além dos sinais de recuperação da atividade econômica já observados pelo mercado.

A Medida Provisória da Taxa de Longo Prazo (TLP) também figura atualmente como uma das prioridades de governo para o ajuste fiscal por diminuir o subsídio fornecido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e deve ser aprovada na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (30). Se a medida passar, a taxa substituirá a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), calculada com base na inflação, e utilizada pelo BNDES em seus empréstimos.

Atualmente, a TJLP está no patamar de 7% (já a Selic, em 9,25%).

A TLP, que tem como referência a NTN-B (um dos títulos emitidos pelo Tesouro Nacional), vai gradualmente se igualar à taxa de juros de mercado, deixando de ter o caráter subsidiado da taxa anterior, o que é positivo para o governo por gerar menos custos nos empréstimos concedidos pelo BNDES - dos quais muitos geraram polêmica por terem sido destinados a empresas envolvidos nos escândalos da Lava Jato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo