A Petrobras anunciou ao mercado, nesta sexta-feira (25), que seu Conselho de Administração aprovou a reestruturação societária de seu braço de venda de combustíveis, a subsidiária integral Petrobras Distribuidora (BR). Em junho, a empresa havia anunciado que estudava a abertura de capital da BR na B3 (antiga BM&FBovespa), tendo como um dos objetivos a "dispersão acionária da BR".

No âmbito da reestruturação, estão previstas as operações de aporte de capital no valor aproximado de R$ 6,3 bilhões, a cisão parcial da BR - a separação de recebíveis detidos pela subsidiária decorrentes de Contratos de Confissão da Dívida (CCDs) com a Eletrobras que possuem garantias reais (penhor de créditos da Conta de Desenvolvimento Energético - CDE) e dos recebíveis detidos pela BR com outras empresas do grupo Petrobras.

A parcela separada será incorporada na Downstream Participações Ltda. (Downstream), subsidiária integral da Petrobras, que também será incorporada à empresa - assunto que ainda será objeto de deliberação pelos órgãos societários competentes.

Os R$ 6,3 bilhões que a empresa espera captar serão utilizados para o pré-pagamento de dívidas já existentes da BR e garantidas pela Petrobras. Por se tratar de reestruturação entre subsidiárias integrais da estatal, as operações serão realizadas a valor contábil com base em laudo de avaliação, não gerando impacto no resultado das empresas envolvidas e nem alterações relevantes no patrimônio líquido da Petrobras e da BR, segundo o comunicado.

A reestruturação ainda está sujeita à aprovação pela Assembleia Geral de Acionistas da BR e pela Reunião de Sócios da Downstream, assim como ao aval da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST), observando o Decreto no 9.035/2017.

BR já atraía investidores

A Petrobras já queria ter aberto o capital de sua Distribuidora em 2015, mas desistiu devido à volatilidade do preço do petróleo naquela época.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Petrobras

Depois, a estatal anunciou que buscava uma parceria estratégia para o ativo, mas a ideia também não foi para a frente.

Em 2016, o ativo passou a fazer parte do plano de investimentos da estatal, que busca alienar cerca de US$ 21 bilhões em ativos no biênio 2017 e 2018 para aliviar sua alavancagem. Com a dificuldade em estabelecer um modelo de negócio, investidores até então interessados, como o banco Itaú, desistiram do negócio.

Em junho deste ano, a estatal anunciou que estava em estudos para abrir de uma oferta pública secundária de ações da BR Distribuidora no segmento novo mercado da B3 (antiga BM&FBovespa). Para a estatal, a abertura de capital da subsidiária poderia ser considerada como "a melhor opção de captura de valor, ao se analisar a situação atual de mercado", dizia o comunicado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo