Em junho de 2017, o varejo brasileiro mostrou aumento de 1,2% no volume total de vendas e de 0,8% na receita nominal, ambos em comparação ao mês de maio, segundo relatório divulgado hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítsica (IBGE). Os resultados significam que houve crescimento positivo por três meses. Por isso, o indicador de média móvel trimestral, relativamente estável nos últimos dois meses, tanto para o volume quanto para as vendas nominais, registra variações de 0,8% e de 1,2%, respectivamente.

Na comparação com junho do ano anterior, o total do varejo apontou expansão de 3,0%, terceiro resultado positivo consecutivo nessa comparação, porém mais forte do que os resultados verificados em maio (2,6%) e abril (1,7%). No acumulado dos seis primeiros meses de 2017, o varejo nacional registrou queda de -0,1% para o volume de vendas, ficando próximo à estabilidade frente a igual semestre de 2016.

Já a receita nominal de vendas do varejo em junho de 2017 registrou para essas mesmas comparações respectivamente: 2,4% frente a junho de 2016, 1,9% no acumulado no ano e 3,2% no acumulado nos últimos doze meses.

Já o comércio varejista ampliado (que inclui varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção), teve aumento de 2,5% para o volume de vendas e 2,2% para a receita nominal, ambas comparadas ao mês anterior.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Atividades se destacaram

A alta de 1,2% para o mês teve o com predomínio de taxas positivas em seis das oito atividades pesquisadas. Os principais setores foram Móveis e eletrodomésticos (2,2%), Tecidos, vestuário e calçados (5,4%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,7%). Além disso, também contribuíram para a alta os setores de combustíveis e lubrificantes (1,2%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,5%) e livros, jornais, revistas e papelaria (4,5%).

Os setores que pressionaram negativamente foram principalmente hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (com retração de 0,4% após avanço de 1,1% no mês anterior) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,6%). Para essa mesma comparação, o comércio varejista ampliado aumentou 2,5% frente a maio de 2017, com 3,8% de alta no setor de veículos e motos, partes e peças (após crescer 2,0% no mês de anterior), enquanto materiais de construção aumentaram 1,0% frente ao mesmo período.

Já na comparação anual frente ao mês de junho de 2016, todas as atividades pesquisadas contribuíram com altas positivas, sendo móveis e eletrodomésticos contribuindo de forma mais efetiva (12,7%).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo