A projeção de crescimento do PIB em 2017 foi revisada de 0,5% para 0,7%, segundo o Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central divulgado nesta quinta-feira (21). A revisão positiva decorre principalmente do crescimento de 0,2% no segundo trimestre, superior à mediana das expectativas do mercado.

Segundo o relatório, a projeção reflete principalmente a revisão positiva para o crescimento do setor agropecuário revisado de 9,6% para 12,1%, principalmente devido às safras de soja, arroz e milho, que devem crescer 19,6%, 16,2% e 54,7%, respectivamente, no ano.

Foram revisadas as expectativas para atividade industrial (de + 0,3% para -0,6%), setor de serviços (+0,1%, ante o recuo 0,1% previsto no relatório de inflação anterior). O crescimento para as atividades do comércio, (+1,2 p.p.) e de transporte, armazenagem e correio (+0,9 p.p.), refletem, principalmente, os resultados favoráveis desses segmentos no segundo trimestre, influenciados pela expansão do consumo e pelo melhor dinamismo da produção fabril, segundo o relatório.

Já a estimativa para o crescimento do produto da indústria de transformação (0,6%) manteve-se inalterada em relação ao último Relatório.

Previsões para Inflação

A projeção a curto prazo de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em setembro deve se manter semelhante à registrada em agosto, devido ao aumento das tarifas elétricas pelo uso da bandeira amarela, elevando a taxa do trimestre encerrado em novembro (1,05%) em comparação com o mesmo período de 2016 (0,52%). Contudo, outros fatores devem levar a inflação ao valor mínimo de 2,5% no terceiro trimestre.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Levando em conta as expectativas da pesquisa Focus (que desde junho alterou a projeção de dólar de R$3,30/US$ para R$3,20/US$ para o fim 2017, de R$3,40/US$ para R$3,30/US$ para o final de 2018; e cortou a projeção da Selic* de 8,5% para 7,0 em 2017 e 2018), o relatório de inflação projeta a variação dos preços administrados em 7,4% (ante 5,9% no relatório anterior) e para 2018 em 5,2% (ante 5,4% no relatório anterior).

Para 2019 a projeção de inflação de preços administrados é de 4,3% e para 2020 é de 4,2%.

Neste contexto, a inflação deve atingir o valor mínimo de 2,5% no terceiro trimestre de 2017 e reverterá para cerca de 3,2% no final do ano (bem abaixo da atual meta nacional de 4,5% ao ano). Isso ocorre, sobretudo, devido à queda dos preços de alimentos observada desde 2016. Em 2018, a taxa deve encerrar em torno dos 4,3%, e em 2019, 4,2%.

Segundo o BC, este cenário depende das considerações sobre as reformas fiscais e ajustes necessários na economia, e os efeitos disto sobre as projeções são refletidos do grau de incerteza, flutuações nos preços dos ativos no mercado, na taxa de juros e também na pesquisa focus. A Política fiscal também influencia as projeções condicionais de inflação por meio de impulsos sobre a demanda agregada*.

Inflação em cenários de juros e câmbios constantes

No cenário híbrido, que utiliza a projeção da taxa Selic da pesquisa Focus, mas é condicionado em uma taxa de câmbio constante em R$3,10/US$ durante todo o horizonte de previsão, a expectativa de inflação para 2017 também gira em torno de 3,2%, enquanto em 2018, a projeção é de 4,1%, menor do que o cenário anterior devido ao câmbio constante - no outro modelo, o câmbio utilizado era o da pesquisa Focus, que projeta depreciação gradual ao longo dos últimos meses de 2017 e ao longo de 2018.

Para 2019 e 2020, a projeção para a inflação é de cerca de 3,9%, também menores do que no outro cenário.

Embora o Comitê de Política Monetária (Copom) considere este cenário "menos informativo" devido à constante flexibilização da política monetária praticada nos encontros do comitê, ele é disponibilizado por uma questão de transparência do banco.

No cenário considerando taxas de juros e câmbio constantes, o BC projeta a inflação em torno de 3,2% em 2017 e 3,8% em 2018.

"A projeção para 2017 é semelhante à do cenário anterior tendo em vista que o impacto da política monetária sobre a inflação é menor em horizontes mais curtos", diz o relatório. Já o cenário híbrido com taxa de câmbio da pesquisa Focus e taxa Selic constante, a projeção de inflação é de aproximadamente 3,2% em 2017 e 4,1% em 2018.

Em 2018 a taxa é maior em função da trajetória com depreciação cambial que consta na pesquisa Focus. "Quando comparado ao cenário que utiliza trajetórias extraídas da pesquisa Focus tanto para a Selic como para o câmbio, esse cenário implica juro real mais elevado e, assim, inflação mais baixa", diz um trecho do relatório.

Por isso as projeções nesse cenário para 2019 e 2020, ambas em 4,0%, são mais elevadas que no cenário com Selic e câmbio constantes.

Ainda que o relatório tenha ressaltado que a economia tem dado sinais de recuperação e que o Copom entende que a conjuntura econômica dita a política monetária estimulativa (com taxas de juros abaixo da estrutural), acredita-se que as reformas na área do crédito e ajustes econômicos contribuíram para a queda dos juros estruturais, sobre as quais as estimativas são constantemente reavaliadas pelo Comitê.

Para a próxima reunião, o BC espera uma redução menor do que 1,0 ponto percentual da taxa Selic, como ocorreu nas últimas reuniões do Copom. Atualmente, a taxa se encontra em 8,5%.* Selic: taxa básica de juros definida pelo Comitê de Política Monetária* Demanda Agregada: é a soma do consumo de bens finais por parte das pessoas, os bens comprados pelas empresas para ampliar a capacidade de produção, as compras do Governo e as exportações, que podem ser para consumo ou investimento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo