O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) aumentou 1,4 ponto em setembro em relação a agosto, atingindo 82,3 pontos, após três quedas consecutivas. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira (22) no relatório da Sondagem do Consumidor.

Segundo a FGV, a marca é a mesma registrada em junho, mês imediatamente posterior ao início da crise política iniciada em maio com o vazamento de áudios e provas envolvendo o presidente Michel Temer na Operação Lava Jato.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o avanço foi de 3,0 pontos.

O indicador que mede a satisfação dos consumidores sobre a situação econômica no momento aumentou 0,7 ponto, destacando-se entre os quesitos relacionados à situação presente, com recuperação de 70% das perdas acumuladas nos últimos três meses. Para os pesquisadores, isso decorre possivelmente da melhora da percepção sobre o mercado de trabalho.

“O resultado parece estar relacionado a uma ligeira melhora na percepção sobre o mercado de trabalho e no gradual afastamento do risco de crise Política. Isso, no entanto, não parece ter sido suficiente para alterar o perfil ainda cauteloso do consumidor“, diz Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor, em comentário no relatório.

A satisfação dos consumidores com a situação atual ficou estável: o Índice de Situação Atual (ISA) variou apenas 0,2 ponto na comparação mensal, de 70,7 para 70,9 pontos - porém, o aumento foi de 3,1 pontos frente ao mesmo mês em 2016.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Vagas Política

Já o Índice de Expectativas (IE) avançou 2,2 pontos, para 91,1, recuperando a marca registrada em abril, e registrando um avanço de 2,4 pontos frente a setembro do ano passado.

Expectativas sobre o futuro

Segundo o relatório, o indicador que mede o otimismo em relação à economia avançou 5,9 pontos em setembro, saindo da marca de 105,0 para 110,9 pontos, influenciando na alta da confiança em setembro.

Embora o indicador da situação presente das finanças familiares tenha variado apenas 0,3 ponto, passando de 65,4 para 65,1 pontos, as perspectivas para as finanças familiares melhoraram: o indicador subiu 3,3 pontos para 90,2 pontos em setembro, compensando parte da queda do mês anterior. Porém, o indicador de Intenção de Compras de Duráveis recuou pelo quarto mês consecutivo, de 76,8 para 73,7 pontos, indicando que o consumidor continua cauteloso nas compras.

Na classificação por faixa de renda, a confiança avançou nas quatro faixas pesquisadas. A maior alta, de 3,5 pontos, foi registrada nas famílias com renda acima de R$ 9,6 ml, para as quais houve melhora tanto da satisfação com a situação atual quanto das expectativas para o futuro próximo.

Entre as famílias com renda de R$ 4.800,01 à R$ 9,6 mil, o nível de confiança recuou 0,6 ponto, influenciado pela avaliação negativa da situação atual, e pior resultado entre as faixas.

Nas famílias com renda até R$ 2,1 mil, a confiança aumentou 2,6 pontos, e na faixa entre R$ 2.100,01 e R$ 4,8 mil, a alta foi de 2,2 pontos, após um recuo de 3,9 pontos em agosto.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo