Os analistas de mercado reajustaram para menos pela sexta vez seguida a projeção de inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) para os próximos 12 meses (estimada em 4,14% ao ano na semana passada e 4,07% hoje). Os resultados são da pesquisa semanal Focus divulgada nesta segunda-feira (18) pelo Banco Central, e refletem as melhoras nos indicadores econômicos, que apontam para recuperação gradual.

As revisões para expectativa de inflação ao final dos meses de setembro e outubro foram mais singelas, alteradas de 0,26% para 0,23% (setembro) e de 0,36% para 0,35% (outubro). Para 2017, a mediana das projeções foi revisada de 3,14% para 3,08%, enquanto para 2018, a redução foi mais singela, de 4,15% para 4,12%.

Quanto a meta da taxa Selic (taxa básica de juros administrada pelo Banco Central), os agentes de mercado ouvidos pela pesquisa ainda trabalham com o cenário de 7,0% ao ano ao final de 2017, o mesmo patamar da semana passada, uma vez que a economia já apresenta sinais de recuperação e o próprio presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, ter dito na semana passada que o corte de juros, a partir de outubro, será "moderadamente menor" do que as reduções de 1,0 ponto percentual anunciados nas últimas quatro reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), segundo o jornal Valor Econômico.

Para 2018, a projeção da taxa Selic foi ajustada de 7,25% para 7,0%, o segundo ajuste para baixo seguido. O efeito segue o otimismo com relação à recuperação econômica, mas ainda há cautela por parte dos analistas quanto as eleições de 2018. Porém, na visão do mercado, o risco da eleição de um candidato populista que ameace as reformas já está menor devido às novas denúncias da Lava Jato que miram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, já que uma condenação em segunda instância o impedirá de concorrer no.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Quanto ao dólar, as projeções para o fim de 2017 não foram alteradas, mantidas em R$ 3,20/US$. Ao final do ano de 2018, a mediana das projeções aponta para o preço de R$ 3,30 (em vez dos R$ 3,35/US$ da semana passada).

PIB revisado para cima

Mesmo com as novas denúncias contra o PMDB por parte do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deixa o cargo nesta segunda-feira (18) e será substituído por Raquel Dodge, os analistas enxergam um menor risco de que a nova denúncia contra o presidente seja aceita pelo Congresso.

Por isso, acreditam mais na possibilidade de aprovação das reformas que ajudarão a melhora econômica.

Embora mantida em 0,60% a expectativa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, para 2018, os analistas reajustaram suas projeções de 2,10% para 2,20%. A melhora vem junto com as novas revelações da Lava Jato que implicam o ex-presidente Lula, contra quem uma possível condenação em segunda instância pode minar a candidatura e diminuir o risco de eleição de um candidato populista que implique em "retrocesso nas reformas econômicas" na visão dos agentes de mercado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo