O comércio varejista brasileiro registrou variação de 0,0% em relação a junho, segundo relatório divulgado nesta terça-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice havia acumulado alta de 2,2% em três meses consecutivos de expansão na série com o ajuste sazonal, mas ainda assim o patamar das vendas do mês de julho de 2017 está 8,7% abaixo do nível recorde alcançado em novembro de 2014, segundo o instituto.

Na comparação com o mesmo mês em 2016, o crescimento foi de 3,1%, puxado principalmente pelo crescimento positivo nas áreas de tecidos, vestuário e calçados (15,5%) e móveis e eletrodomésticos (12,7%). Isto contribuiu para uma desaceleração da queda do indicador (acumulado em -2,3% nos últimos 12 meses), que começou em outubro do ano passado (com redução de 6,8%).

Outros resultados citados na pesquisa foram atribuídos às vendas de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (2,4%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,3%); materiais de escritório, informática e comunicação (11,6%); e livros, mídias impressas e papelaria (0,2%).

Já o setor de combustíveis e lubrificantes apresentou redução de 0,9%, trazendo a queda acumulada nos últimos 12 meses para 5,4%.

Na comparação por estados, 16 das 27 Unidades da Federação registraram crescimento nas vendas do varejo em julho, com destaque para Amazonas (3,0%), Santa Catarina (2,4%) e Roraima (2,2%), enquanto a pior redução foi vista em Tocantins (-5,3%).

O destaque na comparação com o mesmo mês do ano passado de 2016 foi percebido em Santa Catarina (14,2%) e Alagoas (10,3%).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Foram registrados aumentos em 20 das 27 Unidades da Federação.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui vendas de veículos, motos, partes e peças e de material de construção registrou expansão de 0,2% no volume de vendas em relação ao mês anterior (série com ajuste), e foram observados crescimentos em 23 estados, com destaque para Santa Catarina (16%), Amazonas (15,2%) e Rio Grande do Sul (13,3%). O índice foi pressionado pela redução em 0,8% das vendas de veículos, motos, partes e peças, e pelo aumento de 0,9% das vendas do grupo materiais de construção.

Já na comparação com julho de 2016, o crescimento do varejo ampliado foi de 5,7%, enquanto no intervalo de 12 meses a redução acumulada foi de 2,8%. No acumulado do ano de 2017, o varejo ampliado apresentou aumento de 1,1%.

Destaque para hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo

Embora as vendas de móveis e eletrodomésticos e livros, mídia impressa e papelaria tenham registrado crescimento nulo na comparação mês a mês, os setores de destaque com expansão positiva no período foram hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (com variação de 0,7% frente ao mês anterior e 0,3% frente a julho de 2016), seguido por tecidos, vestuário e calçados (0,3%), e por materiais de escritório, informática e comunicação (4,4%).

Segundo o IBGE, o desempenho positivo no grupo hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo deveu-se principalmente ao "avanço da massa salarial real, além do comportamento dos preços do grupo alimentação no domicílio que evoluíram abaixo índice geral", diz o relatório.

As taxas foram foram de -0,5% de janeiro a julho de 2017 e de -1,7% para os últimos 12 meses.

As restrições orçamentárias das famílias frente à valorização dos produtos de papelaria - cuja alta acumulada em 12 meses foi acima do índice geral de preços - explicam em parte a desaceleração deste subitem, segundo o IBGE. A pesquisa também aponta a crescente substituição de produtos impressos pelo suporte eletrônico como um fator de impacto na venda de livros, jornais e revistas.

O subgrupo de mídia impressa e papelaria registra queda acumulada de 8,1% nas vendas nos últimos 12 meses.

Do ponto de vista da pressão negativa, o indicador teve a alta apagada por conta da pior performance nos setores de combustíveis e lubrificantes (-1,6%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,4%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,2%).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo