O Bitcoin continua atraindo a atenção de muita gente e não é para menos, a moeda digital não para de valorizar. Quem investiu pesado no Bitcoin no início deste ano agora já está rico, então imagine aqueles que investiram há alguns anos, quando a moeda era só uma utopia. Vários países continuam registrando aumento na cotação da criptomoeda e aqui no Brasil não é diferente.

No Zimbábue, a adoção do Bitcoin é tão forte que por lá o valor já se aproxima dos 10 mil dólares. Por aqui, no início da tarde desta sexta-feira (20), a FoxBit está vendendo a moeda por R$ 18.415,00.

No Mercado Bitcoin o valor também segue em alta e a expectativa para os próximos dias é que continue aumentando.

No caso do Zimbábue, a situação econômica por lá é sombria e isso fez com que muitos procurassem deixar seu dinheiro investido no Bitcoin, o que ajudou na alta da criptomoeda. E até as empresas no Zimbábue já começaram a comprar Bitcoin, pois enxergam na moeda a única forma segura de não perder dinheiro. Vale lembrar que desde 2009 o país utiliza o dólar americano como moeda fiduciária.

Em tempos de incerteza econômica no Zimbábue, o Bitcoin tem se mostrado como a melhor solução e quanto mais seu valor sobe, mais segurança as pessoas sentem em investir seu dinheiro na moeda virtual. Muitos acreditam que além de não ter prejuízo, conseguiram ainda ter um lucro, mantendo seu dinheiro assim, investido na criptomoeda.

Para entender o motivo do Bitcoin custar tão caro no Zimbábue, é preciso voltar na história, mais precisamente no ano de 2000, quando o presidente incentivou a população a invadir as propriedades rurais que pertenciam a descendentes do Reino Unido.

Isso não ajudou em nada, pelo contrário, só serviu para piorar ainda mais a economia do país. No final, o Banco Central ficou sem dinheiro e então resolveu produzir alguns dólares zimbabuenes, pois era a única forma de pagar os servidores públicos e também os policiais, para que a ordem fosse mantida. A ideia deu certo a princípio, só que foi preciso produzir muito dinheiro e isto trouxe a hiperinflação.

As pessoas começaram a carregar muito dinheiro, pois não valia quase nada, então alguns cidadãos preferiram trocar bens, ao invés de usar o dinheiro. Nove anos mais tarde, o dólar americano substituiu o zimbabuense como forma de combater a hiperinflação, já que o governo perdeu completamente o controle.

O problema é que o Banco Central de lá não está autorizado a imprimir os dólares americanos e o jeito é importá-los.

Siga as suas paixões.
Fique atualizado.

Foi outra solução que resolveu parte do problema, mas está longe da solução ideal, pois hoje os bancos racionam a retirada de dinheiro e tem gente que dorme na fila só para conseguir umas notinhas a mais.

No Zimbábue o comércio agora está farto, encontra-se de tudo para comprar, mas o povo não tem dinheiro. A população, cansada de tudo isto, encontrou sua própria solução e começou a comprar Bitcoin.

Um foi contando para o outro, a notícia se espalhou, a procura aumentou assustadoramente e o preço disparou.

Aqui no Brasil também é grande o número de pessoas interessadas na moeda digital e vem só crescendo os compradores, assim, o valor vai só aumentando.

Agora no Brasil, a pergunta não é se o Bitcoin chega a R$ 30 mil, mas quando chega a este valor.

Não perca a nossa página no Facebook!