O Casamento da atriz Marina Ruy Barbosa aconteceu e o clima de matrimônio ficou no ar. Sabemos que o casamento é um dos momentos mais importantes da vida de muitos casais e nesse dia tudo deve ser perfeito, produzido com toda dedicação do mundo, pois é um momento único de sensações nunca vivenciadas.

O planejamento é fundamental, qualquer hora a mais é de grande importância. É na hora de pôr todo o planejamento em prática que surge aquele pensamento: “E meu trabalho, onde fica nisso tudo? Será que tenho folga?”.

O que alguns pombinhos não sabem é que eles têm Direito a chamada licença-casamento ou, para muitos, a licença-gala.

O que é a licença-casamento

O direito está fundamentado o artigo 473 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), inciso II. Esse inciso explica que o empregado/empregada, respectivos noivo e noiva, podem se ausentar até três dias consecutivos para se casar. Nesses três dias não será incluso o dia do casório.

É importante perceber que, se a cerimônia de casamento estiver marcada para acontecer no sábado, o afastamento de três dias não será contabilizado a partir do domingo, já que não é dia útil de serviço, mas, sim, a partir da segunda-feira.

No caso de iniciar na segunda, irá finalizar na quarta-feira, completando assim os três dias concedidos.

Comprovação

É importante também se lembrar da comprovação do casamento, que é o que dá direito a licença. Essa comprovação acontece por meio da certidão de casamento, que deverá ser entregue ao empregador quando o empregado/empregada voltar ao trabalho na empresa a que tem vínculo empregatício.

Algumas informações adicionais

É comum casos em que o noivo ou a noiva pede ao seu empregador uma folga dias antes do casamento. Algumas dúvidas se concentram em situações como essa. A resposta ao questionamento é a seguinte: se esse período que o noivo/noiva pediu foi concedido pelo patrão, não deve ser considerado como licença. Logo, não interfere na licença aqui abordada.

Logo, é possível perceber que a licença-casamento é um direito que deve ser assegurado ao trabalhador e ações devem ser adotadas caso a empresa indefira o seu requerimento.

Caso o pedido seja negado por parte da empresa, o indicado é buscar a Superintendência Regional de Trabalho e Emprego da região e falar com o fiscal, que a partir desse momento ficará à frente da situação. Buscar o sindicato nessas horas também é uma boa opção, para, dessa forma, intermediar o novo pedido da licença de forma mais eficaz.

Siga a página Relacionamento
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!