Agentes de mercado ouvidos pelo Banco Central mais uma vez fizeram reajustes discretos em suas expectativas de inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), segundo o boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (6), o que confirma a percepção de uma tendência de volta da estabilidade econômica.

Para os próximos 12 meses, a inflação esperada é de 4,01% (versus 4,0% na semana anterior), enquanto para os meses de outubro e novembro, as estimativas estão em 0,48% e 0,38%, respectivamente.

Para o final dos anos de 2017 e 2018, os analistas mantiveram as projeções de 3,08 e 4,02%, iguais às da semana anterior. Já os Top 5 (analistas que mais acertam) mantiveram as expectativas em 3,09% para este ano e 3,83% para o ano que vem.

Quanto à taxa básica de juros (Selic), os analistas também esperam que a meta feche os anos de 2017 e 2018 na casa dos 7,0%. A mediana das expectativas para a meta da Selic vem sendo mantida neste valor há oito semanas seguidas para o ano de 2017, e há sete semanas seguidas para o ano que vem.

Os Top 5, porém, já esperam uma selic para o fim de 2018 em 6,75% no curto prazo, e de 6,50% no médio prazo.

O dólar deve apresentar uma leve alta, segundo os dados da pesquisa. Para os analistas ouvidos, o câmbio deve encerrar este ano a uma taxa de R$ 3,20/US$ (versus R$ 3,19 conforme o boletim da semana anterior) e de R$ 3,30/US$ no ano que vem (taxa inalterada há sete semanas).

Em relação ao PIB, a mediana das expectativas manteve a projeção de crescimento em 0,73% para 2017 e de 2,50% para 2018.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Dívida Líquida deve ser menor em 2017, segundo analistas

A mediana das expectativas para a proporção entre Dívida Líquida do Setor Público (DLSP, que inclui Banco Central, as administrações diretas federal, estaduais e municipais, as administrações indiretas, previdência social e empresas estatais não-financeiras federais, estaduais e municipais, exceto Petrobras e Eletrobras) no final de 2017 teve uma pequena redução de acordo com o relatório.

Se antes o percentual esperado era de 52,28%, agora é de 52,25%, segundo o relatório.

Para o ano de 2018, porém, a proporção esperada é maior, mesmo com o ajuste fiscal e as medidas anunciadas pelo Governo para aumentar a arrecadação (como a tributação de fundos de investimento). Para o mercado, o percentual de DLSP/PIB para 2018 será de 55,90%.

Outro dado em que o mercado aparenta estar otimista são as expectativas para a produção industrial: para 2017, espera-se um crescimento de 2,0% (taxa mantida há duas semanas), e para 2018, de 3,0% (expectativa inalterada há quatro pesquisas).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo