Criado em 2002 através da parceria entre o Tesouro Nacional e a BM&F Bovespa, o Tesouro Direto é um programa de investimentos baseado na compra de títulos do governo brasileiro pela internet. Nada mais é que o empréstimo de dinheiro para o governo, que devolve com juros. Ou seja, ao comprar um título público o investidor empresta seu dinheiro ao Estado para cobrir gastos com saúde, educação, infraestrutura etc.

Como recompensa, o investidor recebe o valor do empréstimo mais os juros sobre ele.

Como pertencente ao Tesouro Nacional, que é a instituição financeira mais sólida do País, o programa constitui-se como uma das formas mais seguras para investimentos de médio e longo prazo, permitindo aplicações a partir de R$ 30,00. Além de oferecer boa rentabilidade, o Tesouro Direto proporciona aos seus investidores uma liquidez diária, o que permite o resgate do dinheiro a qualquer momento.

Como fazer para investir no Tesouro Direto?

Para se investir no Tesouro Direto é bem simples, prático e fácil. A seguir, o artigo apresenta um passo-a-passo e algumas dicas de como iniciar o investimento no programa.

Passo 1: Para investir no Tesouro Direto deve-se inicialmente abrir uma conta em uma corretora ou banco. A escolha deve ser feita de maneira cuidadosa, avaliando a solidez da instituição e a segurança que ela pode oferecer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

O site do Tesouro Direito disponibiliza um ranking de todas as corretoras com as taxas que elas cobram.

Porém, é preciso considerar que, cobrar taxa de administração não é obrigatório. Portanto, o investidor não precisa pagar por elas, somente é cobrado em todas 0,3 % que é a taxa de custódia, ou seja, a taxa para corretora cuidar do dinheiro investido.

Passo 2: Após abrir uma conta na corretora, deve-se escolher o tipo de pagamento: se com juros semestrais ou não.

Quando se opta por receber o pagamento dos títulos com juros semestrais, a cada semestre o rendimento daquele título irá cair na conta do investidor. Porém o mesmo não irá ganhar com juros compostos, isto é, com o acúmulo dos juros passados.

Passo 3: Escolher o título. O Tesouro Direto disponibiliza três opções de títulos com diferentes tipos de rentabilidade: títulos pré-fixados, com juros fixos onde o investidor saberá exatamente quanto receberá ao final do prazo de investimento.

Os atrelados às taxas do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), ligados à taxa de juros oficial da economia. Há ainda os atrelados ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que é de acordo com a inflação.

Passo 4: Observar os custos. Além da taxa de custódia e taxas que algumas corretoras cobram, há a cobrança de Imposto de Renda e Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que devem ser analisados.

No entanto, o IOF só é cobrado se o investidor vender seu título em menos de 30 dias. Portanto, quanto mais tempo permanecer no programa de investimento, menores serão as taxas de imposto a pagar.

Passo 5: Atentar aos prazos. Por maior que seja a necessidade do dinheiro em determinado momento, a venda de títulos antes do vencimento do Tesouro Direto pode acarretar prejuízos levando a vendê-los por um valor menor do que o comprado. Por isso, vale ressaltar a importância de se manter no programa até o prazo estabelecido.

No site do Tesouro Direto, o programa disponibiliza um recurso onde qualquer pessoa física pode simular os diferentes tipos de investimentos e assim escolher o que melhor se adapta aos seus projetos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo