O governo assinou um decreto nesta sexta-feira (29) fixando em R$ 954 o valor do salário mínimo para o ano de 2018, o aumento foi de R$ 17. Desde janeiro de 2017, o Salário mínimo está fixado em R$ 937.

Este decreto será publicado nesta sexta, em uma edição especial do "Diário Oficial ". O acréscimo entrará em vigor a partir de 1º de janeiro, segundo o que determinou o presidente Michel Temer.

Este aumento é considerado o menor nos últimos 24 anos, bem como, é o menor do que o que havia sido estimado e aprovado pelos senadores, que era um valor de R$ 965.

O governo acredita que poderá economizar R$ 3,3 bilhões para o próximo ano. O valor diário do salário mínimo irá será de R$ 31,8, e a hora trabalhada de R$ 4,34.

Existe uma estatística que no Brasil, são em média 45 milhões de pessoas, cujas receitas são através do que recebem do salário mínimo, vai de Aposentados e pensionistas, que em parte recebem pelo governo federal.

Como é feito o reajuste?

O reajuste está relacionado a uma fórmula que realiza a correção de um ano para o outro, levando em consideração:

  • A variação do INPC do último ano (esse cálculo é feito pelo IBGE)
  • Resultado do PIB dos dois anos anteriores.

O ano de 2018 está somando o PIB de 2016, que sofreu uma queda de aproximadamente de 3,6%, juntamente com o INPC de 2017.

Tendo em vista que o PIB de 2016 fechou no vermelho, o reajuste atual do salário mínimo levou em consideração apenas a variação do INPC.

Entre os meses de janeiro e novembro de 2017, o INPC variou em média 1,80%. A avaliação mais atual do mercado financeiro, estimou que o INPC neste ano irá ficar em 2,16%.

Economia

A decisão do governo em oferecer um aumento menor em relação ao que estava estimado, de R$ 965, trará uma economia de aproximadamente de R$ 3,3 bilhões para 2018.

Em média, 66% dos aposentados são beneficiados pelo salário mínimo.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Michel Temer

A correção impacta benefícios como a Renda Mensal Vitalícia, e os trabalhadores que recebem o seguro-desemprego e o abono.

Não era o que a população esperava, em especial os que recebem tendo como base o salário estabelecido pelo governo. A gestão do governo Michel Temer tem sido marcada por decisões impopulares, em comparação aos governos Lula e Dilma.

Ele ainda insiste realizar em seu governo, a reforma da previdência, que segundo ele, irá fortalecer a economia e preparar o Brasil para o futuro.

A decisão dele não seguiu o que os senadores já haviam pré-aprovado, ele decidiu diminuir em R$11 a estimativa do aumento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo