Com a popularidade despencando, o presidente Michel Temer deverá chegar a Davos, na Suíça, depois do dia 20 de janeiro. O peemedebista vai integrar o Fórum Econômico Mundial. Depois de 2014, essa vai ser a primeira participação com um representante de Estado à frente do país. Além disso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também deverá comparecer a Davos, mas, segundo a assessoria do governador, a viagem ainda não foi confirmada.

A participação de Alckmin se dá por conta de São Paulo ter sido escolhida para sediar o evento do Fórum Econômico Mundial de Davos na América Latina, que acontecerá nos próximos meses.

Temer deverá discursar sobre a atual economia do Brasil para uma plateia repleta de CEOs do mundo inteiro. Além do mais, o presidente, provavelmente, se encontrará com empresários e líderes de outros países. A partir da semana que vem, o fórum deve divulgar a agenda de possíveis participantes do evento. De acordo com organizadores, Temer é um dos mais aguardados.

Em 2017, Temer deveria ter participado do fórum, mas acabou cancelando a participação em cima da hora.

Economia do Brasil

A economia brasileira ainda respira.

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), em novembro do ano passado as vendas do Varejo cresceram 0,7% comparado a outubro. Esse foi o melhor aumento desde novembro de 2011. Em todos os setores varejistas, os produtos que tiveram mais destaque foram:

  • Eletrodomésticos (6,1%)
  • Produtos farmacêuticos (1,2%)
  • Livros e Jornais (1,4%)
  • Produtos alimentares (0,8%)

Ainda de acordo com o IBGE, o motivo para o mês de outubro ter sido considerado tão ruim, com uma queda de 0,7%, teria relação com as promoções de Black Friday, realizada em novembro.

Portanto, os consumidores, provavelmente, esperaram por volta de um mês para fazer compras.

Comparado com novembro de 2016, o comércio varejista cresceu quase 6%. Foi a segunda maior taxa positiva de 2017 e a oitava consecutiva. Em nota, o IBGE informou que um dos setores que tiveram maior destaque foram o de hipermercados, mercados e produtos alimentares, além de bebida e fumo. Dentro da taxa global de varejo, esses foram os nichos com maior destaque positivo.

Isso acontece por conta do alto desempenho e o crescimento da massa de rendimento real e o enquadramento de preços de alimentação por domicílio.

Se por um lado o setor alimentício teve alta positiva, pelo lado dos combustíveis, as coisas ficaram negativas. No total de resultados do varejo, os combustíveis tiveram a maior contribuição negativa. De janeiro a novembro do ano passado, o setor apresentou variação de -2,9%. O aumento nos preços é um dos fatores que influenciam negativamente o desempenho do setor.

Siga a página Michel Temer
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!