Na atualidade, uma das grandes novidades é a agronomia digital, uma opção de curso já disponível em algumas universidades do país, entre elas, a Universidade Estadual de Londrina, no Paraná. O curso abrange uma grande área do conhecimento tradicional da agronomia, aliada as informações sobre o passado das lavouras, além de um grande número de dados coletados em tempo real no campo. Sendo assim, tornou-se possível decidir pelo melhor momento de plantar e até formas de gastar menos, por exemplo.

A agronomia tradicional tornou-se obsoleta diante das novas tecnologias. A busca para os que desejam se ingressar na área é por cursos e estágios que sejam paralelos as universidades para que, ao final, o estudante se torne um agrônomo digital, já que um agrônomo com a formação digital pode perceber salários iniciais superiores a 25% a mais do que o pago a profissionais com formação apenas na agronomia tradicional.

Atualmente, o trabalho na agronomia digital é tranquilo, e a demanda é forte por profissionais qualificados, o que justifica tal interesse.

Qualificação profissional em alta

O Centro de Estudos do Agronegócios da FGV (Fundação Getúlio Vargas) realiza constantes radiografias do mercado de trabalho do agronegócio e revela que, nos últimos cinco anos, se utiliza cada vez menos de mão de obra, principalmente a informal. Tal evento é justificado pela incorporação de novas tecnologias no campo, com elevação de capital e ampliação da produtividade.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Tecnologia Negócios

O campo contratou novos e qualificados profissionais, aumentando a remuneração.

O estudo considerado inédito é realizado em sua totalidade com base nos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e da Pnad (Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios), e está sob a coordenação do economista Felippe Serigatti. O trabalho revela que entre os anos 2012 e 2017 foi grande a queda da população envolvida no agronegócio.

De 19,7 milhões de pessoas no ano de 2012, caiu para 18 milhões até o final do ano passado, com a queda chegando a 1,9% ao ano.

Constatou se ainda que no trabalho informal a queda é bem mais acentuada, chegando a 3,4% ao ano. Em um dos seguimentos do agronegócio, a Agricultura, as contratações informais tiveram queda de 5% ao ano e, nas formais, de 4,9%. A exigência de profissionais qualificados se torna cada vez maior e, consequentemente, a mão de obra com menor qualificação perde cada vez mais espaço. O que está acontecendo é a queda da mão de obra informal com qualificação menor.

Mão de obra deslocada

Com o aumento produtividade e o uso intensivo de Tecnologia, a renda dos trabalhadores também aumentou. Entre os anos 2012 e 2017, o rendimento médio real, já com a inflação descontada do trabalho no agronegócio, teve crescimento de 7%, índice bem acima dos 4,6% registrado, no mesmo período, no avanço dos trabalhadores de todos os demais setores da economia brasileira. O avanço acumulado na agricultura no período de 5 anos foi de 8,3% e na agropecuária, foi de 9,2%.

O aumento do número de desempregados não é devido à redução de mão de obra, e a liberação dessa mão de obra também não causou nenhum caos social, já que, com a produtividade maior no agronegócio, a renda no interior e nas cidades aumentou, e os trabalhadores foram deslocados para o setor de serviços, afirma o economista Felippe Serigatti.

A tendência apontada pela FGV é confirmada por um estudo da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), mas com índices diferentes. O número de trabalhadores que em 2014 recebia o equivalente a um salário mínimo era de 33,6% dos ocupados, e em 2016 recuou para 29,8%.

Nesse mesmo período, a parcela dos que não tinham qualificação ou tinham no máximo 2 anos de estudo teve queda de 34,4% para 32,3%. O mercado de trabalho no campo para os trabalhadores sem qualificação está cada vez mais escasso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo