Você já deve saber que as criptomoedas são um novo tipo de investimento que vem fazendo sucesso há algum tempo e tem feito muitos milionários ao redor do mundo. Sendo que o Bitcoin é, sem dúvida, a que mais tem se destacado no mundo das moedas virtuais.

Com o sucesso do Bitcoin e de algumas outras criptomoedas, muitas empresas investiram na criação de novas moedas virtuais no ano de 2017, com a esperança de obterem lucros absurdos como as ofertas iniciais das moedas. Mas acontece que boa parte das novas moedas não foram bem-sucedidas.

O site da Bitcoin mostrou que quase metade do total de 902 moedas virtuais criadas no último ano fracassaram. Em números mais precisos, 46% das novas criptomoedas não foram o que os seus criadores esperavam e mostraram que, apesar da popularidade desse novo segmento, tudo tem um limite. 142 das novas criptomoedas não conseguiram o financiamento necessário para decolar, e as outras 276 se mostraram fraudulentas ou “quebraram” pouco a pouco.

O levantamento mostrado pelo site da Bitcoin pode se mostrar um dado interessante, mas o estudo do fracasso de criptomoedas se mostra bem mais relevante quando é levado para o lado prático.

Segundo o site Engadget 113 moedas virtuais simplesmente sumiram nas redes sociais pouco depois de lançadas, mostrando que o interesse dos investidores acabou, ou mesmo tem um número de investidores inexpressivos, e se mostram fracassadas. As outras criptomoedas criadas em 2017 tiveram um investimento maior, mas poucas conseguiram bater a marca de US$ 10 milhões investidos, o que mostra que são poucas moedas virtuais que realmente atraem investidores.

O fracasso em grande escala das criptomoedas em 2017 não foi considerado uma surpresa para a maioria dos especialistas no assunto. A explicação para isso está nas metas de arrecadação inicial tratadas como totalmente fora da realidade, mesmo em se tratando de um mercado que envolve bilhões de dólares. Outro motivo seria que as empresas que criaram as novas moedas tinham foco em poucos nichos, ou nichos específicos, com o ramo imobiliário ou empresas ligadas à odontologia, por exemplo.

Ainda tiveram empresas que criaram novas criptomoedas apenas com o intuito de subir de uma forma mais exponencial o valor de suas ações, como foi o caso da Kodak.

Mesmo com esses fracassos mostrados pelos levantamentos da Bitcoin e da Engadget, as criptomoedas continuam sendo uma das melhores opções de investimento para 2018, mesmo que especialistas continuem esperando novos fracassos no segmento. O ideal é que, ao decidir investir seu dinheiro em criptomoedas, você opte pelas que tem se mostrado investimentos mais seguros, como as populares Bitcoin e IOTA, que tiveram um bom índice de lucratividade no último ano, indo na contramão das moedas virtuais novatas.

Siga a página Tecnologia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!