O investidor passou a correr riscos alternativos, como a tradicional renda fixa, que teve uma disseminação bastante elevada em segmentos gerados diretamente em fundos de investimentos. Os grande potencial dos multimercados confirmaram a preferência que os investidores brasileiros demonstram no período pós-crise.

Diante do alívio experimentado no ciclo monetário, essa inclinação dos investidores brasileiros mostrou-se forte nas carteiras de ações que passaram a assumir um ritmo inédito na trajetória de investimentos neste setor.

Os multimercados apresentaram uma captação líquida na casa de R$ 33,3 bilhões somente no primeiro trimestre de 2018. Deste valor, R$ 10,1 bilhões foram capitalizados no encerramento do mês de março deste ano.

Ao todo, nos últimos 12 meses, a captação líquida relacionada com as carteiras de ações foram de R$ 99,9 bilhões. O valor captado no primeiro trimestre deste ano foi de 47,3%, valor maior quando comparado com o mesmo período de 2017.

Mercado de ações

Os especialistas apontam que o grande responsável por essa onda de investimentos foram os portfólios apontando para ações.

O ano de 2018 já conseguiu atrair mais de R$ 10 bilhões em investimentos até a atual data, o que demonstra a nova realidade vivida pelos investidores brasileiros nos primeiros três meses deste ano. Nos primeiros três meses do ano passado, os investidores resgataram R$ 0,5 bilhões das carteiras de investimentos.

Taxas de juros mais baixas

Um papel importante e que também somou para esta maior confiança dos investidores aqui no Brasil, foram os cortes nas taxas de juros com taxas nominais que de forma real estão mais baixas.

Ao compararmos estas taxas com as taxas dos últimos 20 anos, podemos observar uma forte redução, o que gera um quadro de maior volatilidade e com horizontes a médio e longo prazo na tomada dos investimentos.

De acordo com José Alberto Tovar, um dos sócios e pioneiro da Truxt Investimentos, "Isso é o início de um grande processo onde o investidor brasileiro começou a se tocar que realmente os juros estão baixos, e que agora terá que assumir diferentes tipos de riscos".

O primeiro impacto desta migração para outros investimentos foram nos multimercados, porém, esses investimentos tendem a ser canalizados para as bolsas, papéis de ativos endividados no setor imobiliário, dentre outros. "Estamos no fim de uma era onde a garantia de 5% de liquidez em um único dia era certo em um CDI", diz Tovar.

Não perca a nossa página no Facebook!