Dyogo Oliveira deixou o cargo de ministro do Planejamento para assumir a presidência do BNDES - Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - no dia 9 de abril deste ano. Durante o evento de posse do ex-ministro, Dyogo Oliveira ressaltou as suas ações relacionadas às reformas econômicas e destacou que a instituição financeira precisa de reivindicação.

De acordo com o ex-ministro, a nova presidência do BNDES terá como prioridade reinventar todo o sistema do banco de fomento e transformá-lo no que ele era no início, o maior banco relacionado ao desenvolvimento do país.

O novo presidente do BNDES ainda destacou que o banco tratará todos os solicitantes de crédito como clientes em potencial, e não mais como beneficiários do sistema. Ou seja, o novo tratamento irá priorizar a eficiência e rapidez no serviço prestado, como acontece nos demais bancos.

Outra mudança que Dyogo pretende realizar no BNDES é uma expansão de novas áreas de financiamento. Segundo o novo presidente, o banco precisa atender áreas em que há pouco recurso disponível para financiamento. Dyogo Oliveira também declarou que o BNDES deverá agir como um parceiro de mercado para as empresas em desenvolvimento, não como um potencial competidor.

Na cerimônia de posse do novo presidente do BNDES, Dyogo Oliveira aproveitou o momento para agradecer especialmente a confiança de Michel Temer, por colocá-lo como presidente do banco. Além do presidente da República, outros nomes foram homenageados, como os ministros Carlos Marun, Eduardo Guardia, Esteves Colnago, Fernando Avelino, e Helton Yomura. Dyogo também lembrou o nome de Henrique Meirelles, de Fernando Pezão e de Romero Jucá durante a cerimônia.

Paulo Rabello de Castro deixa o BNDES

Antes da entrada de Dyogo Oliveira na presidência, o BNDES tinha Paulo Rabello de Castro como presidente. Em sua saída, Paulo Rabello destacou que o banco vive atualmente "um novo tempo", pois enfrentou recentemente a falta de apoio dos órgãos públicos e fortes acusações em 2017.

Paulo Rabello também destacou a importância do BNDES durante o tempo em que foi presidente da instituição.

Para ele, o BNDES é a razão por toda a produtividade e sustentabilidade vista no progresso social dentro dos últimos 60 anos. O ex-presidente do BNDES também pediu para que toda a diretoria da instituição receba o novo presidente com "fé e entusiasmo".

O ex-presidente do BNDES deixou o cargo neste ano para poder disputar nas eleições que acontecerão em outubro. Paulo Rabello e o ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, seguem agora com o processo de desincompatibilização que dura seis meses para poder concorrer a um cargo público nas eleições deste ano.

Não perca a nossa página no Facebook!