Nada é ruim o bastante que não possa piorar. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta sexta-feira (25) que os consumidores vão pagar a tarifa mais cara da tabela de bandeiras, que vai da verde, passando pela amarela e pela vermelha 1 até atingir seu limite máximo que é a bandeira vermelha 2. Neste mês de junho que se aproxima, a bandeira vermelha 2 será acionada. Na prática, você vai pagar cinco reais a mais a cada 100 kWh de energia consumidos.

Em meio a esse furacão de manifestações pelo país em busca, dentre os outras reivindicações, da redução dos preços de combustíveis, eis que mais um aumento nos é apresentado.

A conta de energia vai ficar mais cara ainda. Vale ressaltar que de janeiro a abril deste ano a bandeira verde esteve em vigor, o que quer dizer que não houve acréscimos no valor da conta. Já neste mês de maio, o sinal amarelo foi aceso e nós iremos pagar um real a mais para cada 100kWh. Do amarelo, o salto será para a bandeira vermelha patamar 2, o topo dos nossos pesadelos quando o assunto é conta de energia. Cinco reais para cada 100kWh.

Para justificar o salto para a tarifa mais cara, a Aneel informou nesta sexta-feira (25) que o fim do período de chuvas provocou redução no volume de água de reservatórios da Região Sul do país e que a previsão de chuvas não é animadora em relação à média histórica para esse período.

Com pouca água nos reservatórios, as hidrelétricas não conseguiriam gerar energia suficiente para atender os contratos e, por isso, precisarão ativar as termelétricas, o que faz com que o custo de geração aumente e esse aumento é que será cobrado do consumidor brasileiro.

Para você entender como é que funciona essa sinalização por meio de bandeiras, basta observar a conta de energia. A bandeira verde significa que não há acréscimos no valor cobrado pelo consumo de energia elétrica no período que estiver em vigor.

Bandeira amarela é o início do aumento, porque as condições de geração de energia não são muito favoráveis. Neste caso, a cobrança é de R$ 1 para cada 100kWh. A bandeira vermelha patamar 1 é acionada quando as condições de geração de energia nas hidrelétricas não são favoráveis e os custos dessa geração aumentam. O acréscimo nessa tarifa é de R$ 3 por quilowatt-hora consumido. E, por fim, temos a bandeira vermelha patamar 2.

A mais cara de todas. Para que esta seja acionada, a Aneel explica que é necessário que os custos para a geração de energia sejam realmente elevados, com a ativação de termelétricas para suprir as necessidades. Neste caso, caro consumidor, o aumento é de R$ 5 para cada 100 kWh.

Será a bandeira vermelha patamar 2 a ser acionada neste mês de junho. Portanto, a saída, caro consumidor, é economizar ao máximo para evitar contratempos no início de julho quando a fatura chegar à sua residência.

Siga a página Curiosidades
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!