A educação financeira é uma importante ferramenta para a formação social de qualquer indivíduo. É através dela que as pessoas aprendem a gastar o necessário e poupar para planejamentos futuros. Quando um cidadão não tem consciência desse aprendizado, a inadimplência e a pobreza podem ser seus aliados por muito tempo.

Ainda bem que não existe idade para aprender, sendo assim, todos pode aprender sobre educação financeira. Contudo, qual a melhor idade para aprender sobre educação financeira? Segundo diversos especialistas, esse aprendizado deve ser contínuo e iniciado ainda na infância. Mas tão importante quanto começar cedo é continuar aprendendo sobre o assunto.

Confira a seguir como praticar a educação financeira com a família.

Aprenda ensinando

Embora a mudança individual seja um ponto muito importante no entendimento da educação financeira, a família também deve fazer parte desse conceito. Por isso, mesmo que saiba tudo sobre educação financeira, se a família não estiver envolvida, provavelmente irá se frustrar com dívidas e gastos desnecessários.

Sendo assim, o primeiro passo é aprender e ensinar para todos que estão próximos. Para que isso seja possível, é preciso conversar com os familiares sobre economia, dinheiro, planejamento financeiro, entre outros assuntos. É a partir desta conversa que a família terá a primeira impressão do que é fazer um planejamento financeiro.

Aliás, essa conversa não deve ser só entre adultos. Não se preocupe se o filho de 2 anos ainda não entende o que é economia, ele certamente entenderá que dinheiro serve para comprar coisas.

Uma boa dica é usar justamente comparações simples para explicar, principalmente para as crianças, os conceitos mais complexos.

A educação financeira deve ser praticada continuamente. Por isso, lembre-se que, enquanto ensina, também está aprendendo. Essa é a melhor maneira de praticar a educação financeira em casa, pois continuará desenvolvendo a prática enquanto traz a família para dentro desse conceito.

Converse sobre sonhos

Não tem coisa melhor do que planejar aquele merecido descanso de férias em uma praia relaxante. Por isso, essa é uma boa hora de colocar em prática a educação financeira. Conversar sobre sonhos é simplesmente falar sobre metas, objetivos de vida e planejamento financeiro para que tudo seja possível.

Comece conversando sobre o que cada um tem como objetivo. Pode ser qualquer coisa, como comprar algo caro, viajar, aprender alguma coisa, enfim, todos os objetivos são válidos. Após traçar esses objetivos, a família deve avaliar se ela contribuirá para alguma coisa (aprendizado, realização, felicidade), ou se são apenas velhos hábitos de consumo.

Caso os objetivos se enquadrem nos aspectos válidos, é preciso traçar metas para que a família em conjunto possa realizá-los. As metas nada mais são do que planejamento para levantar capital necessário. Esse capital será investido nos objetivos de vida. Mas para levantar esse capital, às vezes, é preciso um pouco de esforço, como cortar alguns gastos. Por isso é tão importante que toda família esteja envolvida.