Na manhã desta quarta-feira (21), o jornalista e colunista Helio Gurovitz discorreu em seu blog no G1 sobre o principal desafio que o novo Governo do presidente eleito terá de enfrentar. Sem hesitar, Helio apontou que, o ato de zerar o déficit fiscal do país, é uma das principais promessas de Jair Bolsonaro. Relembrando declaração do economista Paulo Guedes na campanha sobre a possibilidade de zerar o déficit já no primeiro ano de governo, tanto por meio de cortes quanto de privatizações, Helio chamou a intenção do economista de louvável, mas impraticável devido à afirmação (segundo ele) feita pelo economista Felipe Salto nesta terça-feira (20).

Publicidade
Publicidade

Felipe Salto teria afirmado que as contas só poderão ficar no azul em 2023. Na ocasião, a fala de Felipe, então diretor da Instituição Fiscal Independente, aconteceu durante a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Apesar do contraposto, o jornalista avalia que a previsão para este ano é otimista, contrastando-se os R$ 159 bi de déficit primário previstos no Orçamento, com o fechamento de ano em R$ 139 bi no vermelho, ou ainda melhor, devido à não realização de despesas por parte dos ministérios que totalizam R$ 17 bi.

Publicidade

Déficit do país e alguns dados do IFI

Na análise de Gurovitz, estima-se que em 2019 o déficit será abaixo dos R$ 100 bi.

Estima-se também um corte de R$ 149 bi no governo de Bolsonaro (em um mandato), o que equivale 0,5 do PIB (Produto Interno Bruto) anual. Embora haja a proibição de que os gastos do governo subam acima da inflação, Helio acredita que nem os cortes serão suficientes para o Brasil voltar a ficar no azul.

Apontando dados da IFI (Instituição Fiscal Independente), o colunista fez uma prévia do tamanho do ajuste fiscal que o país terá de fazer para voltar ao azul.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Os dados mostram que, em 2017, o déficit primário diminuiu para 1,7% (após ter chegado a 2,5% do PIB), tendo voltado a crescer 2,1% este ano (2018). Já no ano que vem a expectativa é que essa porcentagem diminua para 1,8, sendo então reduzido paulatinamente pelos próximos anos.

Possível solução

Destacando números do mergulho fiscal, Helio Gurovitz ainda mostrou medidas que colaborariam para zerar o déficit fiscal primário, como a redução com o funcionalismo e a reforma da Previdência.

O jornalista afirmou que sem essas medidas ficará impossível para o Governo Bolsonaro tirar o país de perto do abismo fiscal. Isso deve exigir do novo Governo tanto a negociação política quanto o apoio no legislativo.

Em um cenário pessimista traçado pela IFI, Helio alerta não ser um absurdo que o país chegue em 2023 beirando uma dívida pública em 100% do PIB, o que seria uma catástrofe que deve ser evitada. Essa será a principal missão de Bolsonaro e Paulo Guedes.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo