O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Paulo Guimarães, afirmou em sua cerimônia de posse, ocorrida no último dia 7, que irá avaliar o patrocínio do banco nos Futebol brasileiro. Nos últimos 7 anos, quando o banco passou a investir no esporte mais popular do país e em projetos esportivos, já foram empregados R$ 763,5 milhões, segundo informações do site Poder360.

Os clubes foram os que mais se beneficiaram do patrocínio ofertado pela Caixa. Ao todo, no período entre 2012 e 2019, 35 agremiações receberam R$ 665 milhões.

Os dez clubes de futebol, que no Brasil funcionam como associações sem fins lucrativos, que obtiveram contratos com maiores valores são: Flamengo (R$ 141 milhões), Corinthians (R$ 121 milhões), Vasco (R$ 50 milhões), Cruzeiro (R$ 34,8 milhões), Athletico-PR (R$ 34,4 milhões), Atlético-MG (R$ 33,5 milhões), Vitória (R$ 25,5 milhões), Sport (R$ 23,6 milhões), Santos (R$ 21,8 milhões) e Botafogo (R$ 21,4 milhões). Destes, apenas o Sport de Recife e o Botafogo carioca seguem com o contrato em vigência.

Outros beneficiários do patrocínio da Caixa

Não são apenas os clubes que recebem a ajuda financeira da estatal que não economiza no incentivo ao esporte profissional, ao todo 11 competições regionais; 2 nacionais, Campeonato Brasileiro das Séries B e C e Campeonato Brasileiro Feminino; além do Torneio Internacional de Seleções Feminino. O patrocínio a essas competições soma R$ 97,8 milhões.

A Caixa também aprovou o orçamento de R$ 538,5 milhões para comitês e confederações --o valor está além dos R$ 1,1 bilhão.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Futebol Governo

As entidades beneficiárias são: Confederação Brasileira de Ginástica, que recebe R$ 69 milhões; o Comitê Paraolímpico Brasileiro, com R$ 244 milhões; a Confederação Brasileira de Atletismo, que recebe R$ 194,5 milhões; a Confederação Brasileira de Ciclismo, com valor estipulado em R$ 17 milhões e a Confederação Brasileira de Lutas Associados, que recebe R$ 13,95 milhões.

O ministro da economia, Paulo Guedes, questionou o patrocínio esportivo feito pela estatal. Paulo Guimarães afirmou na cerimônia de posse que lançará um programa de controle de custos, seguindo orientações do presidente da República e do ministro de economia.

Critérios para escolha dos patrocínios

Perguntada acerca dos critérios utilizados para definição das modalidades, eventos e clubes que recebem os patrocínios e como é feito o acompanhamento do retorno financeiro, a estatal emitiu uma nota afirmando que não comentaria a respeito.

A nova gestão da Caixa afirmou que os contratos de patrocínio em 2019 estão sob análise, no entanto, o banco mantém em seu site a afirmação de que é a "maior apoiadora do futebol brasileiro".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo