A rede de supermercados Paradiset, a maior de produtos orgânicos da Escandinávia, anunciou nesta quarta-feira (5) a decisão de boicotar produtos de origem brasileira. A opção por não mais comprar produtos brasileiros se deu em função da política de liberação de agrotóxicos que vem sendo adotada pelo governo Bolsonaro.

Sob gestão de Tereza Cristina, o Ministério da Agricultura autorizou este ano o uso de 197 agrotóxicos, alcançando, em menos de 5 meses de Governo, o maior ritmo já registrado de liberação desde 2005.

As autorizações vinham aumentando desde 2016 e, atualmente, 26% desses agrotóxicos são proibidos pela União Europeia devido aos riscos que representam para o meio ambiente e para a saúde da população e 48% são classificados como altamente tóxicos, de acordo com o Greenpeace.

Em entrevista à rádio francesa RFI, o presidente do grupo Paradiset, Johannes Cullberg, afirmou que é preciso parar o presidente Bolsonaro, a quem chamou de "maníaco".

Cullberg disse ainda que, assim que tomou conhecimento da liberação de agrotóxicos por meio dos noticiários, determinou o boicote aos produtos de origem brasileira importados pela Paradiset.

Um comunicado oficial da empresa foi publicado no jornal Dagens Nyheter, o de maior circulação na Suécia. Em declaração à imprensa, o assessor de comunicação reforçou também que a rede não oferece carnes vindas do Brasil e que não tem a intenção de comprar o produto.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Foram retirados das prateleiras, até o momento, quatro tipos diferentes de melão, mamão papaya, melancia, manga, limão, duas marcas de café, além da água de coco e de um chocolate produzido com 76% de cacau de origem brasileira.

O que diz a ministra da Agricultura

No fim de maio, em discurso durante a abertura de uma feira do agronegócio em Uberaba, Minas Gerais, a ministra da Agricultura Tereza Cristina disse que os agrotóxicos por ela liberados estavam "represados por problemas ideológicos", sem especificar quais seriam.

Para o portal G1, Tereza Cristina informou que os produtos liberados são "genéricos" e que suas "moléculas principais" estavam à venda no mercado antes da autorização do uso dos agrotóxicos. Contudo, algumas substâncias, como o glifosato, são indicadas como perigosas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Presente na composição, até o momento, de três dos agrotóxicos permitidos, o glifosato é considerado cancerígeno e as empresas que utilizaram o herbicida em seus produtos, nos Estados Unidos, são alvo de milhares de ações judiciais.

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), em pesquisa, fez um alerta para como até mesmo agrotóxicos considerados de baixo risco podem contribuir para o desenvolvimento de doenças a longo prazo, incluindo malformações congênitas, distúrbios hormonais, neurológicos ou mentais.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo