A Dataprev foi a público para informar que 14,7 milhões de cadastros que foram realizados entre os dias 23 a 30 de abril estão na fase final de homologação e, de acordo com a previsão, serão analisadas até esta quarta-feira (13). Segundo as informações, tais resultados serão transmitidos nesta quarta-feira para a Caixa, fazendo com que os pagamentos possam ser processados. O número integra 16,4 milhões de cidadãos que realizaram seus pedidos e, até o momento, ainda se encontram em análise. Aquela parte da população que já deu entrada no benefício poderá ver como a solicitação está andando através dos links: cidadania.gov.br/consultaauxilio e consultaauxilio.dataprev.gov.br

Se tratando do Governo Federal, há muitas especulações de que deverá ser prorrogado o auxílio emergencial no valor de R$ 600 para os cidadãos que estão sendo impedidos de exercerem seus trabalhos devido à pandemia ocasionada pelo novo coronavírus.

Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, decidiu se pronunciar sobre o fato, ressaltando que tais medidas expostas pelo Governo podem ter vindo para ficar. No entanto, o Ministério da Economia também decidiu se pronunciar, negando a possibilidade do fato ocorrer. Pessoas que estão inseridas no governo ainda reconhecem que a pauta poderá ser pressionada para conseguir uma extensão do auxílio emergencial.

Logo de início, é previsto que o benefício seja prorrogado por mais um ou dois meses. De acordo com as informações expostas pelos técnicos, este não é o momento ideal de falar sobre tal hipótese.

Agora, segundo informações do jornal Extra, é esperado que o atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), possa vetar a ampliação do auxílio emergencial para a parte da população que se enquadra nos empregos de cabeleireiro, motoristas de aplicativo, rejeitando, ainda, a exigência imposta ao beneficiário de não ter recebido os rendimentos tributáveis no ano de 2018 acima do valor R$ 28.559,70.

Militares na mira

De acordo com as informações do Ministério da Defesa, 73.242 militares das forças armadas receberam o auxílio emergencial. Em um comunicado emitido, é informado que os três poderes abriram processo para poder investigar possíveis irregularidades em torno do fato, ressaltando que o dinheiro recebido por tais pessoas será devolvido para a União.

Aqueles que não devolverem o valor, de acordo com o jornal Extra, estarão inscritos na Dívida Ativa da União, sendo cobrados de forma compulsória.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!