Para solicitantes do auxílio emergencial do Governo Federal foi disponibilizado a partir do 5 de maio a possibilidade de acompanhar o pedido a partir do site do Ministério da Cidadania e da Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência). Os sites são: http://www.cidadania.gov.br/consultaauxilio e https://consultaauxilio.dataprev.gov.br/

A medida é uma complementação ao site e aplicativo já disponibilizado pela Caixa Econômica Federal, o Caixa Auxílio Emergencial e https://auxilio.caixa.gov.br/.

Nesses sites, caso negado o benefício, é possível saber o motivo da negação. O objetivo da disponibilização dessa consulta é conceder transparência para as etapas de análise, processamento, homologação e pagamento do benefício.

Caso o solicitante esteja fazendo a solicitação pela segunda vez, também é possível fazer esse acompanhamento. Em menos de um dia de funcionamento, a página registrou mais de 500 mil acessos.

Mais de 10 milhões precisam refazer o cadastro no aplicativo

Pelo menos 12,4 milhões de brasileiros que solicitaram o auxílio emergencial precisam refazer o cadastro no aplicativo Caixa Emergencial ou no site da Caixa (Auxílio Emergencial).

Esse número corresponde às pessoas que tiveram o resultado da primeira análise como "inconclusiva".

Esse resultado que dizer que o Dataprev não conseguiu analisar as informações. Isso porque, algum dado pode ter sido colocado errado, como informações sobre dependentes, membros da família, endereço, etc.

No momento, apenas pessoas que tiveram os dados inconclusivos podem refazer o cadastro. As pessoas que tiveram o benefício rejeitado e tiverem a classificação de inelegível não podem corrigir os dados.

De 97,7 milhões de pedidos para o auxílio emergencial, 50,5 milhões foram aprovados, 32,8 foram tidos como inconclusivos e 13,7 milhões inconclusivos, ou seja, precisam de complemento cadastral.

Como estão sendo feitos os saques em espécie

Para as pessoas que receberam a aprovação do auxílio e desejam fazer o saque do dinheiro, a Caixa Econômica divulgou que todos que cheguem às agências no horário entre 8h e 14h vão ser atendidos.

Por todo o Brasil, pessoas estão passando a madrugada e aglomerando nas filas, o que não é recomendado.

O banco também intensificou o atendimento para pessoas que estão na fila, com o objetivo de dar agilidade ao atendimento e gerar códigos para serviços específicos, como a realização de saques.

No próximo sábado (9), mais de 2 mil agências vão abrir para o atendimento específico do Auxílio Emergencial.

2ª parcela do auxílio deve ser paga no início de maio

Para os beneficiários que já receberam a primeira parcela do auxílio, o pagamento da segunda parcela que começaria no dia 23 de abril foi adiado para o começo do mês de maio.

Isso porque, o número de pedidos superou a previsão, fazendo com que o governo precisasse pedir crédito suplementar para a realização dos pagamentos.

A divulgação do calendário oficial está dependendo do presidente Jair Bolsonaro e do Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzony.

Os inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) e os trabalhadores informais que fizeram o cadastro por meio digital vão receber em dias diferentes dos beneficiários do Bolsa Família. Essa tática foi usada para evitar aglomerações nas agências bancárias.

De acordo com o presidente da Caixa, os públicos do auxílio, em sua maioria, precisam de ajuda pessoal nas agências. Contudo, a expectativa é que o pagamento da segunda parcela seja mais organizado e com filas menores, já que já foi criada e validada a base de dados.

Outro ponto que foi melhorado pelo banco foi o aplicativo Caixa Tem, aplicação de poupança digital para pessoas que não têm conta bancária.

O que acontece se o saque do auxílio emergencial não for feito

Caso o saque do benefício de R$ 600,00, ou R$ 1,2 mil para mulheres chefes de família, não for feito em 90 dias por trabalhadores que optaram por receber por meio de contas digitais da Caixa, o valor voltará para o Tesouro Nacional.

A regra, que é semelhante à aplicada a beneficiários da Previdência Social, não afeta quem recebe diretamente na conta bancária de qualquer instituição financeira.

Isso porque, o governo entende que esses beneficiários que pediram para o dinheiro ir para uma conta já existente já tiveram o benefício sacado.

Como usar a conta digital da Caixa e evitar aglomerações

A conta digital da Caixa (Caixa Tem) permite até três transferências mensais para outra conta de qualquer banco.

Durante a pandemia, não haverá cobrança de taxas para transferências para outras instituições financeiras.

Para transferência entre contas da Caixa, o número de transferência é ilimitado, mesmo para contas em nome de terceiros.

Na conta digital também é possível fazer o pagamento de boletos bancários. Sabendo disso, uma boa dica para evitar o enfrentamento de filas nas agências é fazer o pagamento de contas pelo aplicativo ou transferir o dinheiro para conta de um familiar, caso haja essa opção.

A partir dessa transação, o saque pode ser feito em um caixa eletrônico, evitando filas e aglomerações.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Siga a página Negócios
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!