"Só um mandado judicial, fadiga ou recuo de Geraldo Alckmin pode colocar fim à nossa ocupação". Com esse lema, estudantes da Escola Estadual Diadema, mais conhecida como Cefam, seguem ocupando a escola com a promessa de ficarem por mais tempo presentes no local. Eles reclamam da reorganização da rede de ensino estadual de São Paulo, que, no caso específico da instituição, encerrará o Ensino Médio.

A decisão de ocupar a escola foi tomada quando os alunos do 9° ano foram orientados pela direção à procurarem outro colégio. O protesto em Diadema tem total apoio dos pais dos estudantes. Um termo de responsabilidade foi assinado pelos responsáveis autorizando os seus filhos, todos com menos de 18 anos de idade, a dormirem nas dependências da instituição.

Mas, de acordo com alguns alunos presentes, a #Manifestação tem ocorrido de forma ordeira e pacífica, sem tumultos ou bate-boca com os policiais presentes, bem diferente do que ocorre na Escola Fernão Dias, na capital paulista, onde o clima está bem mais tenso e houve discussões entre PMs e alunos na tarde desta quarta.

Júlio César Máximo, 16 anos e aluno do 1° ano da escola, diz que os estudantes contam com apoio geral para a demanda que defendem. "Nós estamos acomodados e acampados no pátio do colégio. Temos apoio dos colegas, pais e professores", relata.

Os alunos são contra o fim do Ensino Médio na escola, que é feito no período noturno. A Cefam habitualmente tem boas médias no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e recentemente teve um ex-aluno foi campeão mundial numa prova técnica de usinagem.

Os melhores vídeos do dia

"Nós temos um elo com os professores. Muitos que vão sair daqui nem sabe para onde vão. Por isso temos o apoio dos pais e dos professores. O fim do Médio aqui vai prejudicar muito tanto os alunos quanto os professores", conclui Júlio. #Educação