Quem já passou pelo constrangimento de lidar com as famosas birras dos filhos sabe que elas podem sobrecarregar a família e toda sua estrutura emocional e física. As crianças sempre escolhem os lugares mais inusitados para seus chiliques: mercados, escolas, confraternizações familiares. Os pais, na maioria das vezes, tomados pela vergonha, acabam cedendo ao capricho ou punindo de forma severa e errada.

Segundo estudos realizados pela psicóloga Tovah Klein, em Nova York, os pais podem controlar as birras dos filhos com apenas cinco passos simples.

A doutora dedica-se totalmente a estudar o comportamento infantil, e afirma que os piores chiliques se dão nas fases de um a três anos, pois as crianças estão deixando de ser bebês e compreendendo o poder do não.

As infalíveis dicas para sanar as birras

A psicóloga explica que, antes de mais nada, deve-se tentar evitar a birra. Uma criança, quando explode, está tomada de raiva e se sente rejeitada, por isso, fazem birras para chamar a atenção dos seus genitores.

O primordial é manter a calma e dar um tempo para que a criança volte a se concentrar em você.

A segunda dica é não ignorar a criança. Embora seja difícil lidar com estes episódios por conta da correria do dia a dia, tente se controlar, dizendo a ela que você sabe que aquele momento é complicado, com isso, com essa sintonia, a criança processará seus próprios sentimentos.

Como nunca sabemos o momento exato que os baixinhos vão resolver fazer birra, a terceira dica é respirar e dar um tempo, levando, se possível, a criança para outro lugar, evitando os famosos olhares de repreensão, e opiniões degastadoras.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Educação

A quarta dica é não envergonhar a criança e reconhecer os sentimentos dela, pois quando os pais reconhecem os sentimentos dos filhos, os chiliques tendem a durar muito pouco.

Logo após o término do show de chiliques, algumas crianças ficam contrariadas e chorosas, o que é normal, afinal, elas sabem que fizeram algo errado. Nesse momento, os pais devem confortá-la dizendo coisas como: "já passou", "eu estou aqui", "eu te amo", e "que isso não se repita".

Os passos têm funcionado bem, segundo os depoimentos de alguns pais.

Esperamos que funcionem com você.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo