A nuvem sombria e escura que começou a se formar ainda em julho do ano passado, no céu de Belo Horizonte, insiste em acompanhar a seleção brasileira – desencontrada desde o turbilhão de gols dos alemães. Na semifinal da Copa de 2014, o fracasso não será mais apagado. Na Copa América de 2015, resta uma chance. Em baixa após a derrota para a Colômbia na quarta-feira por 1x0, o Brasil entra em campo neste domingo (21) precisando vencer a Venezuela para ser primeiro no grupo C.

Publicidade
Publicidade

E será sem Neymar. Não será o astro do Barcelona que puxará a fila de jogadores na entrada em campo tão logo o relógio marcar 18h30, de Brasília. Como se já não bastasse o cartão amarelo que tomou no primeiro tempo diante da Colômbia, que já o tiraria do jogo diante da Venezuela, o capitão brasileiro acabou expulso ao final do jogo depois de envolver-se em uma confusão com os colombianos e com o árbitro da partida.

Publicidade

Resultado: em vez de um jogo de suspensão, quatro. Mesmo que o Brasil avance no torneio, Neymar seguirá fora. Ele não joga mais a Copa América.

Para evitar que o Brasil caia na primeira fase, desastre que não ocorre desde 1987, o técnico Dunga mudará o time. Nos treinamentos anteriores ao jogo, Phillipe Coutinho, do Liverpool, foi o indicado a entrar na vaga de Neymar. Coutinho esteve fora da estreia com o Peru e entrou no decorrer do jogo contra a Colômbia, sem muito destaque.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Neymar

O meia Fred também corre risco de perder a vaga nos onze inicial. Douglas Costa ou até mesmo o experiente Robinho surgem como alternativas para tornar a equipe mais ofensiva.

O famoso clichê que defende que “não existe mais bobo no Futebol” se aplica perfeitamente no adversário do Brasil deste domingo. Saco de pancadas em outros tempos – nem tão distantes assim -, os venezuelanos evoluíram a ponto de, nos últimos quatro confrontos contra os brasileiros, terem perdido apenas um duelo.

Ciente disso, Dunga pregou respeito na sua entrevista coletiva pré-jogo.

“É uma equipe que joga compacta e tem uma intensidade durante todo o jogo. Contra o Peru, procurou buscar o ataque mesmo com um jogador expulso. Amadureceram depois da última Copa América. E nós temos que ter humildade. Não éramos os melhores com as 11 vitórias que tivemos e nem está tudo errado agora depois de perder a primeira”, avaliou o treinador brasileiro.

Publicidade

A seleção dirigida por Noel Sanvincente quer seguir surpreendendo a todos, como na primeira rodada, quando bateu por 1x0 os favoritos colombianos. Para o jogo contra o Brasil, a Venezuela não terá o lateral esquerdo Amorebieta, expulso contra o Peru, que dará lugar a Cichero. Os times entrarão em campo já sabendo o que precisarão fazer para atingir a classificação, uma vez que Peru e Colômbia se enfrentam antes, às 16h, abrindo a última rodada do grupo.

Publicidade

Por mais que um empate sirva para a classificação, passou da hora do Brasil voltar a vencer, convencer e abrir o céu mais uma vez.

Ficha técnica

Brasil: Jefferson; Daniel Alves, Miranda, Thiago Silva, Filipe Luis; Fernandinho, Elias, Phillipe Coutinho, Willian e Douglas Costa (Robinho); Roberto Firmino. Técnico: Dunga.

Venezuela: Baroja; Rosales, Túñez, Vizcarrondo, Cichero; Seijas, Rincón, Arango, Vargas, Guerra; Rondón. Técnico: Noel Sanvicente.

Arbitragem: Enrique Cáceres, auxiliado por Carlos Cáceres e Rodney Aquino (trio paraguaio).

Estádio: Monumental, em Santiago (Chile).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo