Uma tarde típica do verão de Porto Alegre. Calor abafado, sol forte e Gre-Nal. Uma semana depois dos festejos de carnaval, que em 1989 veio cedo demais, Inter e Grêmio se reencontravam no Beira-Rio naquele dia 12 de fevereiro para decidir quem seria o finalista do Campeonato Brasileiro. Do outro lado da chave, Bahia e Fluminense duelavam. Mas foi o Gre-Nal do Século que realmente tornou aquela fase de semifinal inesquecível.

Publicidade
Publicidade

O tempo quente não afastou o público. Em uma época em que os estádios ainda abrigavam muitas pessoas, o Beira-Rio recebeu 78.083 pessoas, que ajudaram a dar um colorido diferente a uma tarde especial. Nunca, até aquela oportunidade, os dois gigantes do Rio Grande do Sul haviam disputado entre si uma vaga direta à final do Brasileirão. O jogo era cercado de muitas expectativas. E terminou envolvendo muitas emoções.

Publicidade

Os primeiros 45 minutos foram dominados pelos azuis. Comandado pelo grande Rubens Minelli, o Grêmio envolveu o inimigo na casa adversária e poderia ter matado o confronto ali mesmo. Não o fez, e pagou um preço caro por isso. Mesmo assim, abriu o placar logo aos 25 com Marcos Vinícius. Perdendo por 1x0, o Inter ainda teve o lateral Casemiro expulso e foi para o intervalo tendo que arrumar a casa para não levar mais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Grêmio

Era hora de ousar

Mas o Inter tinha na casamata Abel Braga, ofensivo por natureza, que seguidamente admite que ir ao ataque lhe coça. Com um homem a menos e perdendo o Gre-Nal, Abel decidiu arriscar. Tirou o volante Leomir e colocou o atacante uruguaio Diego Aguirre, que, mais tarde, viria a ser o técnico do Internacional. A ousadia poderia se transformar em uma tragédia. Ou não.

Mais aberto em campo, o colorado encurralou o Grêmio em seu próprio campo e se tornou soberano na partida assim que o árbitro deu o reinício de jogo.

Aos 16, Edu Lima cobrou falta e Nilson empatou. Dez minutos após, Maurício realizou grande jogada e serviu Nilson, que mais uma vez foi às redes e garantiu a passagem para a final e a histórica virada colorada, até hoje lembrada no eterno Gre-Nal do Século.

Reveja a reportagem do Globo Esporte feita na época:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo