Outra vez desacreditado, assim como já ocorrera antes da Copa de 2002, Ronaldo desembarcava no Brasil para vestir as cores do Corinthians na temporada de 2009. Os quilos a mais e a recente grave lesão no joelho – que abreviou a sua passagem pelo Milan, da Itália -, geraram desconfiança sobre o quanto o atacante ainda poderia dar ao #Futebol.

Assim que foi ganhando ritmo de jogo e melhorou a forma física, o eterno camisa 9 da Seleção Brasileira se tornou mais um louco no meio do bando de loucos da Fiel Torcida e foi protagonista de duas grandes conquistas: o Campeonato Paulista de 2009 e a Copa do Brasil do mesmo ano, em conquista sobre o Internacional, de Porto Alegre.

Na semifinal do Paulistão daquela temporada, Ronaldo lembrou os velhos tempos ao fazer uma verdadeira pintura na partida contra o Santos, disputada na Vila Belmiro. Ele recebeu um lançamento no flanco direito, cortou o lateral Triguinho e encobriu de perna esquerda o goleiro Fábio Costa. Um lance fenomenal.

Nos dois anos seguintes, a felicidade já não foi a mesma. As lesões musculares voltaram a aparecer, os quilinhos a mais idem e a tolerância da torcida já não era a mesma. A eliminação para o Flamengo nas oitavas de final da Libertadores de 2010 foi frustrante para os paulistas. Ronaldo não era mais o mesmo jogador do ano anterior.

Mesmo assim, seguiu no elenco para o ano de 2011 e ali viveu uma das maiores decepções da carreira, ao ser eliminado pelo modesto Tolima na fase de pré-Libertadores.

Os melhores vídeos do dia

Furiosos, os torcedores corintianos partiram para cima do ônibus do clube assim que os jogadores voltaram ao Brasil. Não dava mais para Ronaldo. Não queria mais passar por aquilo e o seu corpo já pedia um fim. Depois de 18 anos de uma brilhante carreira, Ronaldo pendurava as chuteiras. #Corinthians