A nova lei de zoneamento da cidade de São Paulo, aprovada na noite desta 5ª. feira (25) na Câmara Municipal, vai permitir que o Corinthians construa uma arena multiuso na sede social do clube, no Parque São Jorge, na zona leste paulistana. A novidade veio com uma emenda à lei, de autoria do vereador Milton Leite (DEM), que também abre a possibilidade de construção de torres residenciais no local. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Hoje, a área social do Corinthians tem parque aquático, quadras poliesportivas, restaurante panorâmico, salão nobre e capela.

Publicidade
Publicidade

Abriga um ginásio poliesportivo com capacidade para 6.834 pessoas e o Teatro Omni, que pode também ser utilizado como cinema, para 400 espectadores. Uma das atrações mais visitadas da sede é o Memorial Corinthians, que permite ao torcedor viajar pelo passado e presente do futebol alvinegro, reviver as conquistas históricas, e conhecer um pouco do dia-a-dia do clube e da torcida formada por 30 milhões de brasileiros.

A maior área da sede corintiana é a da Fazendinha, nome popular do quase centenário estádio Alfredo Schurig.

Publicidade

Inaugurado em 1928, chegou a receber público superior a 27 mil pessoas e sediou o último jogo do time principal em 2002. Hoje, serve como campo de treinamento do Futebol e abriga eventos esporádicos.

A nova lei de zoneamento, que ainda deverá ser analisada e sancionada - ou vetada - pelo prefeito Fernando Haddad (PT), regulamenta os tipos de construção que podem ser feitos na cidade de São Paulo. A lei recebeu cerca de 60 emendas de vereadores para incorporação ao texto final e suas determinações devem ser revistas a cada 10 anos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Corinthians

O prefeito ainda poderá propor novas correções e enviá-las à Câmara Municipal, num prazo de 180 dias.

O texto do projeto urbanístico foi enviado pela prefeitura aos vereadores em junho de 2015 e sofreu várias mudanças, sugeridas em audiências públicas realizadas em bairros da cidade. Na votação do projeto final, 45 vereadores foram favoráveis e oito disseram não.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo