Novak Djokovic não precisou demonstrar o seu melhor Tênis para ratificar a condição de melhor do mundo a atingir a fase de quartas de final do Masters 1000 de Miami, torneio disputado em quadras de piso sintético e com US$ 7.037.595 em premiações totais. Na tarde desta terça-feira, dia 29 de março, o sérvio número 1 do mundo superou o jovem austríaco Dominic Thiem por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/4, após batalha de 1h49. "Nole" é pentacampeão do torneio e também contabiliza um vice-campeonato na Flórida.

Na luta por um lugar nas semifinais do evento norte-americano, o tenista de Belgrado vai medir forças com um velho conhecido, o tcheco Tomas Berdych.

Na abertura da programação, o cabeça de chave 7 precisou de muita garra para conter o ímpeto do francês Richard Gasquet, décimo pré-classificado. Porém, mais descansado por ter disputado uma partida a menos, Berdych demonstrou energia para cravar 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 3/6 e 7/5.

No entanto, o retrospecto direto entre Novak Djokovic e Tomas Berdych aponta uma disparidade gigantesca para dois tenistas que pertencem ao top 10 do ranking de entradas da ATP. Em 24 encontros realizados até o momento, o tcheco só conseguiu levar a melhor sobre o seu próximo oponente em duas ocasiões. Berdych ganhou no Masters 1000 de Roma, em 2013, jogando no saibro, e depois acumulou nove derrotas consecutivas, a última delas na penúltima rodada em Doha, neste ano.

Djokovic, contudo, deve entrar em quadra mais atento para encarar Berdych desta vez.

Os melhores vídeos do dia

Diante de Dominic Thiem - uma das sensações do circuito nesta temporada -, o número 1 do mundo escapou de inúmeras situações de risco contra o 14º do ranking. "Nole" proporcionou quinze oportunidades de quebra ao adversário, que só aproveitou uma delas. Djokovic, por sua vez, quebrou o serviço do austríaco em três das seis chances que teve à disposição. No total, o sérvio terminou o duelo com 84 pontos conquistados, dos 161 disputados, o que demonstra o equilíbrio da partida. Com a chave aberta após a queda do britânico Andy Murray, o melhor do mundo na atualidade tem tudo para quebrar mais recordes e celebrar o hexacampeonato em Miami.