Após não atender aos convites para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Futebol, que avalia a existência de irregularidades nos contratos assinados para realização de jogos no Brasil, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Antônio Carlos Nunes de Lima, deverá comparecer ao próximo encontro, marcado para o dia 16 de março, sob condução coercitiva. A medida foi decretada pela Justiça Federal do Pará, na última terça-feira, dia 8, em resposta à solicitação feita pelo presidente da CPI, senador Romário (PSB-RJ).

Publicidade
Publicidade

De acordo com o requerimento enviado à justiça paraense, a CPI convocou todos os dirigentes das Federações Estaduais de Futebol - no entanto, somente o representante do Rio de Janeiro compareceu. Apesar de ter declarado que participaria voluntariamente das apurações, o Coronel Nunes - como é conhecido o mandatário da CBF - se ausentou das ocasiões em que foi requisitado devido à agenda de compromissos da Seleção Brasileira.

"Nós convidamos duas vezes, nós convocamos outras vezes e ele se acha acima de qualquer situação, especialmente acima da lei. Eu sempre falei e vou repetir: essa é uma CPI séria e é para ser encarada como tal", afirmou Romário à Agência Senado.

Publicidade

Outros nomes na mira

A reunião do dia 16 de março também avaliará outros requerimentos pendentes na CPI do Futebol. Dentre eles, figura a convocação de dirigentes do alto escalão da CBF, como o diretor executivo de gestão, Rogério Langanke Caboclo, e o secretário-geral, Walter Feldman. Outros executivos que poderão ser intimados são o ex-diretor financeiro, Antônio Osório Ribeiro Lopes da Costa, o ex-tesoureiro, Ariberto Pereira dos Santos Filho, Júlio Cesar Avelleda, que antecedeu Feldman no cargo de secretário-geral, e o ex-presidente Ricardo Teixeira.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol

Em dezembro do ano passado, a CPI do Futebol ouviu Marco Polo Del Nero, que comandou a principal entidade do futebol brasileiro entre abril e dezembro de 2015. Com previsão de encerramento em 180 dias, a final da CPI do Futebol foi prorrogada para o dia 16 de agosto de 2016.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo