No último sábado, dia 9, o atacante Fred e seu empresário Rodrigo Chaves se encontraram com a diretoria, resultando na liberação do jogador até terça-feira (12), aparentemente por problemas particulares. Por certo tempo não se sabia o motivo do encontro, mas rapidamente a notícia se espalhou.

Na manhã de domingo, dia de jogo válido pelo Carioca, alguns veículos divulgaram que o jogador tinha brigado com o recém contratado técnico e chegou a citar na reunião um ultimato: “Ele ou eu”.

O acontecimento que motivou a desavença é desconhecido até o momento, o que existe são boatos (o principal seria uma chamada mais dura do comandante no camisa 9, que estaria cobrando de forma excessiva o meia Gustavo Scarpa durante o intervalo da partida contra o Madureira), mas a provável razão é o poder exagerado dele dentro do clube. O histórico de Levir (exemplo: Ronaldinho Gaúcho na época que comandava o Atlético-MG) e os ótimos resultados logo no começo do trabalho foram alguns fatores que levavam à quase certa saída do artilheiro.

Time em ótima fase (invicto há 10 partidas), defesa sendo ajustada e confirmado em uma final de campeonato (Primeira Liga, contra o Atlético-PR), ou seja, a hora não poderia ter sido pior. Mais tarde, na partida contra o Volta Redonda, a equipe venceu por 2x0 e se classificou para as semifinais do Carioca, e durante o jogo, parte da torcida se manifestou em relação à situação:

A consequência disso foi a enxurrada de especulação durante a semana, por exemplo, Fred no Galo Mineiro e ganhando 300 mil reais a menos que em relação ao salário atual (o meia argentino Dátolo e o atacante Carlos estariam envolvidos na negociação) e Fred no São Paulo (Michel Bastos e Alan Kardec como moeda de troca).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Fluminense

O jogador preferiu manter o silêncio e não falou com a imprensa, enquanto Levir respondeu sobre o caso sempre que perguntado. Entre uma ou outra declaração, falou que espera conversar com o atacante pessoalmente, a fim de saber o motivo da chateação, já que ele só se manifestou com a diretoria.

Dito e feito. Na manhã de hoje, ocorreu uma reunião “muito sincera”, segundo o presidente Peter Siemsen, entre jogador, técnico, Peter e Jorge Macedo (diretor de Futebol).

Nela ficou definida a reintegração do artilheiro ao elenco, podendo treinar amanhã e jogar o clássico contra o Vasco da Gama, domingo, na Arena Amazônia.

NÃO HÁ ARGUMENTOS CONTRA FATOS

Fred é o maior ídolo da história recente tricolor e com certeza um dos maiores do clube, possui a marca de terceiro maior artilheiro (167 gols em 278 jogos), campanha memorável na fuga do rebaixamento de 2009, dois Campeonatos Brasileiros (2010 e 2012), um Campeonato Carioca (2012) e várias artilharias, sendo assim, merece muito respeito.

Porém, dos últimos técnicos (Renato Gaúcho, Cristóvão Borges, Ricardo Drubscky, Enderson Moreira e Eduardo Baptista), apenas o atual tem experiência e moral para peitar o capitão, e com total razão. Fred foi mimado, recebeu mais poderes do que deveria pela diretoria e agora estamos vendo a consequência disso.

O Fluminense, e qualquer instituição, é maior que um jogador, técnico ou outro funcionário, independente do cargo que ocupa.

Nessa última “guerra”, ganha o Tricolor das Laranjeiras, mantendo um dos melhores atacantes do país, ídolo e líder no elenco, enquanto os outros clubes que foram especulados ficam frustrados com o fim da novela.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo