Gustavo Kuerten é mais um entre os tantos apaixonados pelo Tênis que se rendeu ao tênis de Novak Djokovic. A cada nova competição, o sérvio número 1 do mundo demonstra que o atual circuito da ATP é dividido entre ele e todos os outros. Em 2016, Nole venceu o Australian Open e os dois Masters 1000 já disputados - Indian Wells e Miami. Tem apenas uma derrota no ano, em Dubai, quando uma infecção no olho o fez abandonar o duelo frente ao espanhol Feliciano López.

A grande fase do sérvio impressiona a todos e já o credencia a quebrar grandes recordes do tênis mundial. Nesta segunda-feira, 11, tem início a gira da Europa no saibro com o Masters 1000 de Monte Carlo, e Djokovic partirá em busca de mais uma taça. Segundo Guga, em entrevista ao site português Bola Amarela, o momento do sérvio é tão melhor que o dos outros que ele nem precisa jogar o seu melhor para vencer torneios.

"Novak Djokovic está jogando em um nível bem acima dos seus adversários. O único que eu vejo que ainda pode oferecer resistência a ele é o Roger Federer. Tem alguns campeonatos que o Novak nem joga tão bem assim, mas acaba sendo o campeão, como no US Open do ano passado, por exemplo", avaliou Guga, tricampeão de Roland Garros - título que, curiosamente, Djokovic ainda persegue.

Recuperado de uma lesão no joelho e de uma indisposição que o tirou do Masters 1000 de Miami, o suíço Roger Federer está confirmado no torneio de Monte Carlo e volta oficialmente ao circuito depois de um longo período afastado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Tênis

Para Guga, somente o ex-número 1 do mundo atualmente é capaz de medir forças em igualdade de condições com Djokovic.

"O Federer é um dos melhores da história e está acostumado a se reinventar. Nós jogamos na mesma época e mesmo assim ele se apresenta cada vez melhor. É uma grande pessoa e isso ajuda a manter o legado que tem e o carisma com o público", elogiou Guga.

No entanto, o brasileiro não descarta uma volta triunfante de outro ex-número 1 do mundo: Rafael Nadal.

"Em 2013, ele voltou de lesão e ganhou tudo de novo, quando ninguém mais esperava. Penso que o problema do Rafa é a falta de confiança", opinou.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo