Tal qual a maioria dos clubes brasileiros, o Corinthians enfrenta sérias dificuldades financeiras e, em função disso, encontra obstáculos para quitar seus compromissos. E além das despesas administrativas e da área do futebol, o alvinegro paulista possui uma dívida milionária por conta da construção do Itaquerão. 

Por conta disso, representantes do clube paulista planejam reivindicar junto ao BNDES uma ampliação do prazo para quitar a dívida de R$ 400 milhões referentes à construção do Itaquerão.

No momento, o Corinthians dispõe de 180 meses para isso e com prestações em torno de R$ 5 milhões. 

No Parque São Jorge existe a expectativa de que essa proposta possa ser viável a partir do momento em que o presidente da República Michel Temer sinalizou com a possibilidade de renegociar a dívida dos governadores de Estados que contraíram empréstimo junto ao BNDES para estádios que serviram de sede para a Copa do Mundo de 2014.

O diretor de finanças do Corinthians, Emerson Piovezan, conforme o jornal O Estado de São Paulo, entende que, se houver algum benefício para os estados referente a obras para construção de estádio de futebol, esta deveria se estender também ao Corinthians. 

Junto ao Governo Federal já existe um trabalho das equipes econômica e jurídica, visando a definição de uma proposta a ser apresentada aos Estados para a renegociação das dívidas contraídas para a realização de obras em estádios que serviram de palco a jogos da Copa do Mundo, realizada no Brasil, em 2014.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corinthians Michel Temer

A apresentação desta proposta deverá ocorrer nos próximos dias. 

O Corinthians vem tentando, desde o ano passado, resolver essa questão da renegociação da dívida para a construção do Itaquerão junto a Caixa Federal, repassadora dos recursos do BNDES uma carência de 17 meses para quitar o empréstimo. A partir desta proposta do presidente Michel Temer, representantes do clube paulista entendem que, além de aumentar o número de parcelas a serem pagas, podem também diminuir o valor das mensalidades.

Os representantes corintianos alegam que o clube teve apenas 19 meses para iniciar o pagamento do empréstimo enquanto, mas outras arenas foram beneficiadas com uma carência de 36 meses. 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo