Se alguém se atrever a realizar uma enquete junto a torcida corintiana perguntando se o Cristovão Borges é o técnico que eles esperavam, certamente a maioria responderá que não. O mesmo ocorreu quando ele foi treinador do Flamengo e acabou sendo demitido depois de apenas 18 partidas. Enfrentou uma grande rejeição no rubro-negro carioca e no Corinthians foi contratado para assumir o lugar do praticamente insubstituível Tite que conquistou todos os títulos que disputou com a equipe paulista. 

Quando se manifestou a respeito dos critérios para a contratação de Cristovão o presidente do Corinthians, Roberto de Andrade afirmou que se tratava de "um cara muito gente boa, muito dedicado e competente".

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Corinthians

Um observador mais atento poderia dizer que a competência do atual técnico do Corinthians foi a última virtude citada pelo mandatário corintiano e também aquela que não foi antecedida da expressão "muito".

Alguns chegaram a dizer que prevaleceu na escolha pelo novo técnico o fato dele ser muito gente boa. 

Implicâncias à parte, o fato é que Cristovão Borges como treinador de clubes como Vasco, Bahia, Fluminense, Flamengo e Atlético-PR, jamais ganhou um título. Inclusive chegou a ser questionado a este respeito quando treinava o Flamengo e respondeu simplesmente que todos os grandes treinadores começaram sem ganhar nada e que não aceitava quando colocavam isto como sendo um veredicto. 

No que diz respeito ao Corinthians, antes que o nome de Cristovão Borges fosse aprovado como substituto do Tite a direção corintiana entrou em contato com o ex-jogador Sylvinho que recusou o convite argumentando que pretende estudar no exterior. Este, aliás, foi o único nome que o presidente do Corinthians, Roberto de Andrade admitiu ter contatado.

Os melhores vídeos do dia

No entanto, Roger Machado, treinador do Grêmio, revelou que foi procurado por representantes do Corinthians logo após o acerto do Tite com a CBF. Roberto nega categoricamente a investida. De acordo com a imprensa, nomes como Eduardo Baptista, treinador da Ponte Preta e Fernando Diniz, do Oeste-SP, que disputa a Segundona, também teriam sido procurados e recusaram o convite. Porém, o presidente do Corinthians garante que o primeiro nome a ser procurado depois de Sylvinho foi o de Cristovão.