Em reunião realizada nesta terça-feira (12), em Santiago do Chile, a executiva da Conmebol, entidade que rege o Futebol na América do Sul, decidiu reajustar os prêmios para as equipes que participarem da Copa Sul-Americana de 2016. Com isso, as premiações serão 72% maiores do que as praticadas na edição do ano passado. Assim, os times que disputarem a primeira fase da competição irão receber uma premiação de 250 mil dólares. No ano passado foi de 150 mil dólares. 

Já o campeão da Sul-Americana poderá ganhar um total de US$ 3.925.000,00, caso tenha participado de todas as fases da competição. Em 2015 essa premiação para o primeiro colocado foi de US$ 2.385,000,00.

Para os semi-finalistas serão destinados US$ 550,000,00, sendo que no ano passado, esse valor chegou a US$ 360.000,00. Para o vice-campeão da Copa Sul-Americana 2016 o prêmio será de US$ 2.385.000,00, caso tenha disputado todas as fases da competição. Não sendo assim, receberá US$ 1.000.000,00. Em 2015 foi de US$ 550.000,00.

Com a decisão de reajustar as premiações, a Conmebol deverá desembolsar US$ 31,08 milhões em comparação aos US$ 18,49 milhões gastos na edição anterior. No momento, o Flamengo do RJ e o Sport Recife são os representantes do Brasil na Copa Sul-Americana. A definição dos outros classificados sairá após o término dos jogos de volta da terceira fase da Copa do Brasil. 

Essa decisão da entidade máxima do futebol Sul-Americano vem no momento em que os clubes, principalmente os brasileiros, já cobravam um reajuste maior para as premiações pagas pela Conmebol.

Os melhores vídeos do dia

As cobranças tinham iniciado no ano passado e já pretendiam valores maiores para a Libertadores deste ano, o que acabou acontecendo.

Claro que mesmo com este reajuste de 72% o Brasileirão e a Copa do Brasil pagam uma premiação bem maior. No entanto, o próprio presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, quando assumiu, adiantou que a entidade jamais poderia pagar premiações nos valores pretendidos pelos clubes do Brasil. O mandatário máximo da entidade máxima do futebol Sul-Americano disse na oportunidade que os prêmios reivindicados por equipes brasileiras são impraticáveis para a Conmebol.