Renaud Lavillenie não soube lidar muito bem com a derrota e pagou um amargo gosto por isso, a humilhação. Nesta terça-feira, 16, um dia depois de perder a medalha de ouro para o brasileiro Thiago Braz, o francês precisou subir no pódio ao lado de seu algoz. O público do Engenhão, onde o hino nacional foi tocado, não perdoou e começou a vaiar de novo Renauld. As vaias foram dadas no momento em que ele recebia a medalha de prata. Gritos de 'Uh, vai morrer' também foram entoados pela torcida, depois que essa foi comparada a nazistas e chamada de "público de merda".

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Os brasileiros não gostaram dos comentários que mais pareciam choro de derrota e começaram a "zoeira" na internet. 

Recordista mundial da prova com 6,06 metros, Renaud Lavillenie que já teve que pular muitos obstáculos não aguentou os cariocas.

Ele não escondeu o constrangimento de estar em cima do pódio e ser humilhado mesmo assim. Enquanto o hino do Brasil era tocado, lágrimas desciam do olhar do francês. Ele parecia revoltado. Enquanto isso, Thiago Braz batia continência, já que é um dos atletas militares do Brasil, e aproveitava a melhor marca da carreira. Ele agora deve virar o maior rival de Lavillenie, que foi o ouro na Olimpíada de Londres, na Inglaterra, em 2012. 

Vendo que o colega estava sofrendo demais por ser vaiado, Thiago decidiu dar uma "forcinha" e pediu que o público parece de vaiar o francês. Ele solicitou que o colega fosse aplaudido. O gesto acabou contagiando o estádio, mas já era tarde, o atleta não deu nem um sorriso sequer ao tirar as fotos oficiais com a premiação das medalhas olímpicas. Enquanto isso, Braz vivia um dos momentos mais felizes de sua carreira.

Os melhores vídeos do dia

Dizem que momentos como esse só acontecem na Olimpíada.

Nas redes sociais, o choro do francês virou novo motivo para piadas. Novamente brasileiros falavam para o atleta chorar bem longe do Rio de Janeiro, mostrando claramente que não gostaram dos comentários feitos pelo atleta estrangeiro, que pode daqui a quatro anos mostrar melhor capacidade de derrota ou de vitória.