A rivalidade entre brasileiros e argentinos nos jogos olímpicos atingiu seu ápice nesta segunda-feira (8), no Rio de Janeiro. No início do jogo de tênis entre o português João Sousa e o argentino Juan Martin Del Potro, dois torcedores - um brasileiro e um argentino - começaram a se provocar. Durante uma pausa da partida no segundo game do primeiro set, o clima entre os torcedores esquentou, com direito a palavrões em português e espanhol. O argentino então desferiu um soco no brasileiro, que revidou. A briga provocou um grande tumulto na arquibancada, com alguns torcedores tentando separar os brigões e outros tentando se afastar da confusão.

O juiz interrompeu a partida, os tenistas saíram da quadra e o exército entrou na arquibancada para controlar a situação.

A atitude infantil dos brigões provocou revolta nos outros torcedores, que pediram, em coro, a expulsão dos brigões. Os homens do exército atenderam aos pedidos e colocaram para fora os dois torcedores, mas não houve prisões. Eles estão impedidos de entrar na quadra central do Parque Olímpico até o fim da partida entre João Sousa e Juan Martin Del Potro. Mesmo enquanto era expulso do plateia o argentino fez provocações à torcida brasileira, mandando beijos e provocando quem o vaiava, apontando para o escudo da camisa da seleção argentina. 

Após a confusão a animosidade entre brasileiros e argentinos aumentou ainda mais. Os hermanos fizeram ainda mais barulho que antes, irritando os brasileiros.

Os melhores vídeos do dia

Apesar disso, não houve novos registros de confusão.

Rivalidade causou confusão também no basquete

O clima de rivalidade entre brasileiros e argentinos já havia provocado confusão antes, durante jogo de basquete entre Argentina e Nigéria, no domingo (7). Na ocasião os argentinos cantaram a música "Decime qué se siente", cantada também durante a copa do mundo de futebol de 2014 em provocação ao Brasil. A canção faz referência à eliminação do Brasil, pelos argentinos, na copa do mundo de 1990. A atitude dos torcedores argentinos foi reprovada até pelos próprios jogadores de basquete da seleção argentina, que pediram aos torcedores para apoiar o próprio país ao invés de provocar os brasileiros.