O Timão está de volta ao G-4 e o mérito tem um nome: Marlone. O atleta, no jogo contra o Vitória, atuou muito bem, e foi de suma importância para o resultado de 2 a 1 que colocou o Corinthians em segundo lugar na tabela. Porém, o técnico Cristóvão Borges, antes de poder comemorar junto com o atleta a escalada na tabela, teve que ouvir vaias no intervalo da partida.

Ao que tudo indica, Cristóvão Borges não é de se abater facilmente, porém, nessa última partida, o técnico estava visivelmente chateado com o que escutou no intervalo.

E sobre isso ele falou na coletiva após o jogo, que garantiu os três pontos necessários para colocar o Timão na briga pelo Campeonato Brasileiro.

Sem alterações no tom de voz, Cristóvão disse que as cobranças que a torcida insiste em continuar fazendo derivam das comparações entre o time de 2016 com o time campeão de 2015. Na óptica do treinador, é injusto querer comparar os dois times, pois o atual elenco ainda não teve tempo de ter os mesmos feitos que o elenco do ano passado.

Lembra o técnico que a razão dele estar no time é justamente essa, fazer com que os novos atletas possam jogar e desenvolver um trabalho. E dispara que a torcida tem exagerado, pois na atual temporada nenhum time tem recebido apostas como campeão, o título está sendo duramente disputado, inclusive pelo Corinthians, que é um time novo e praticamente recém formado.

O técnico falou mais: para ele, as vaias e críticas são bem vindas quando são fundamentadas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Corinthians

Porém, no jogo de ontem, as vaias não foram somente no intervalo enquanto o Corinthians perdia de 1 a 0, elas continuaram até mesmo depois da virada, assim afirmou o comandante que disse: "isso precisa parar."

Para mudar essa conjuntura, Cristóvão resolveu dar uma chance para Marlone. O atleta, que por nove meses esperou por essa chance, entrou no jogo, fez bonito e deverá ganhar a chance de continuidade com o técnico.

Cristóvão Borges chegou e prometeu chances a todos, mas Marlone foi o último a tê-las. Era questão de tempo. Cristóvão tinha tentado variações durante o primeiro tempo. Tentou inverter Romero e Marquinhos Gabriel, mandando este último para o lado direito (onde rende mais), porém sem sucesso. Romero continuou perdendo no um contra um e produzindo pouco jogando pela esquerda. Foi então que Cristóvão sacou Marlone e colocou o atleta justamente nessa faixa de campo, pois nela o atleta teria liberdade para partir para cima dos marcadores.

Ao entrar no lugar de Romero, substituído no intervalo, Marlone se tornou protagonista no segundo tempo. Com uma postura confiante, o meia-atacante, logo em seus primeiros lances, garantiu o empate. Ao avançar pela esquerda do campo e fazer bem o que Romero não estava conseguindo, vencer no um contra um, Marlone cortou Diogo Mateus e, com um chute colocado no canto direito, cravou o primeiro gol do Timão na partida.

O gol trouxe ainda mais confiança ao atleta, que começou a ser muito procurado pelos colegas. Marlone armou jogadas, movimentou-se muito bem e auxiliou no empate. Em uma jogada armada por ele, o meia-atacante encontrou Uendel livre para cruzar e ver Marquinhos Gabriel, de peito, fazer o segundo gol do Corinthians, que com esse resultado tornou-se o segundo colocado na tabela, ficando atrás do Palmeiras por apenas um ponto.

 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo